Ernest Wright, NASA / GSFC Scientific Visualization Estúdio
Ernest Wright, NASA / GSFC Scientific Visualization Estúdio

Cientistas revelam origem da maior cratera da Lua

Asteroide teria batido contra superfície lunar a 15 km/s, há 3,8 bilhões de anos

EFE

28 Outubro 2016 | 18h37

Cientistas do Instituto Tecnológico de Massachusetts (MIT, sigla em inglês) e da Universidade Brown, nos Estados Unidos, descobriram a origem de Oriental, a maior cratera da Lua formada há 3,8 bilhões de anos e com um diâmetro de 930 quilômetros, segundo publicou na quinta-feira, 27, a revista Science.

A descoberta, fruto de estudos divulgados em dois artigos, foi possível graças aos dados recolhidos em 2012 pelos satélites da missão Laboratório Interior e de Recuperação de Gravidade (Grail, sigla em inglês) da Nasa.

De acordo com o estudo do geólogo Brandon Johnson, da Universidade Brown, o asteroide que criou a cratera Oriental bateu a uma velocidade de 15 km/s contra a Lua e tinha 64 quilômetros de diâmetro.

Esse impacto criou uma cratera de dimensões entre 320 e 460 quilômetros de diâmetro. 

"Grandes impactos como o que formou Oriental foram os maiores fatores de mudanças nas crostas planetárias do sistema solar. Graças aos dados surpreendentes fornecidos pelo Grail, compreendemos melhor como se formaram essas bacias, e podemos usar esses conhecimentos em outros planetas e luas", disse Johnson. /EFE

Mais conteúdo sobre:
Estados Unidos Lua Nasa Johnson

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.