Cometa que passou pela Terra em 2007 pode ser o maior já visto

Sonda espacial Ulysses levou 18 dias para cruzar a cauda magnética do cometa, maior tempo já registrado

13 Abril 2010 | 15h05

Cientistas britânicos identificaram um novo candidato a maior cometa já visto. Em vez de usar o comprimento da cauda como métrica para determinar a escala do cometa, o grupo usou dados da sonda Ulysses - uma missão conjunta da Nasa e da Agência Espacial Europeia - para avaliar o tamanho da região do espaço perturbada pela presença do astro.

Análises magnéticas mostram evidência de uma onda de choque ao redor do cometa, criada quando o gás ionizado emitido pelo núcleo se choca com as partículas do vento solar.

 

Ulysses encontrou a cauda de gás ionizado do cometa McNaught a uma distância do núcleo superior, em mais de 50%, à que separa a Terra do Sol. Isso é bem mais que a espetacular cauda de poeira que foi visível na Terra em 2007.

 

Cometa McNaught sobre o Oceano Pacífico, em 2007. Sebastian Deiries/ESO

 

"Foi bem difícil observar remotamente a cauda de plasma do cometa McNaught, em comparação com a causa brilhante de poeira, então não podemos estimar de fato o tamanho dela", disse Geraint Jones, do University College London.

 

"O que podemos dizer é que Ulysses levou 2 dias e meio para cruzar o vento solar impactado pelo cometa Hyakutake, em comparação com os 18 dias que precisou para cruzar o vento de McNaught. Isso mostra que o cometa não foi apenas espetacular visto da Terra, mas também representou um obstáculo imenso para o vento solar".

 

Uma comparação com outros tempos de cruzeiro demonstra a escala do McNaught. A nave Giotto precisou de menos de duas horas, em 1992, para cruzar a onda de choque do cometa Grigg-Skjellerup. O cruzamento da região de choque do cometa Halley também se completou em horas.

 

"A escala de um cometa ativo depende do nível de liberação de gás, e não do tamanho do núcleo", disse Jones. "Núcleos de cometa não ficam, necessariamente ativos em toda a superfície. O que podemos dizer é que o nível de geração de gás do McNaught foi claramente muito maior que o do Hyakutake."

Mais conteúdo sobre:
astronomia cometa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.