1. Usuário
Assine o Estadão
assine

D. João: 'As coisas não acontecem de supetão na Igreja'

Jamil Chade e Filipe Domingues, de O Estado de S.Paulo

12 Fevereiro 2013 | 21h 16

Cardeal brasileiro citado como nome forte para suceder Bento XVI diz que pode não ser a hora para um papa latino-americano

CIDADE DO VATICANO - Na Europa, ficaram apenas os monumentos históricos e, hoje, a base da Igreja se desloca para a América Latina, África e Ásia. A declaração é do cardeal brasileiro d. João Braz de Aviz, considerado pela imprensa italiana como um dos nomes fortes para a sucessão de Bento XVI.

Em entrevista ao Estado, o brasileiro com o cargo mais alto na estrutura de poder do Vaticano deixou claro que uma mudança está ocorrendo em termos geográficos na Igreja. Mas alerta que isso não significa que essa seja necessariamente a hora de ver o primeiro papa de um país em desenvolvimento. "As coisas não ocorrem de supetão na Igreja", admite o atual prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica do Vaticano.

D. João, de 65 anos, arcebispo emérito de Brasília e ligado a uma Teologia da Libertação sem excessos, também reconheceu a existência de "tensão" entre diferentes personalidades dentro do Vaticano e admite que nem sempre a gestão da Igreja é "tão serena".

Leia a seguir os principais trechos da entrevista concedida na terça-feira, 12, no Vaticano.

O sr. estava presente quando Bento XVI anunciou sua renúncia. Como foi?

Foi uma reunião regular e os outros temas foram tratados normalmente. De repente, ele começou a falar e eu, sinceramente, achei que não tinha entendido o que ele havia dito. Logo percebi que, sim, era verdade e que ele estava renunciando. Foi uma grande surpresa. Ninguém nunca imaginava que isso ocorreria. Como é um fato raríssimo, sentimos o peso da coisa, também pela figura que ele representa.

Nos últimos anos, ele ganhou a simpatia até mesmo da intelectualidade europeia. Com seu gesto, mostrou uma grande fidelidade à Igreja e deixou claro que não quer atrapalhar. Ele ainda certamente considerou que João Paulo II já havia vivido a exposição pública de sua deterioração de saúde e que não queria passar pela mesma coisa.

O que o sr. acha que esse papa deixará como legado?

Ele chamou a Igreja à coerência, entrou em campos delicados e isso fez um bem enorme. Ele chamou os problemas por seu nome. Claro, houve um preço a ser pago por isso. Mas era um preço que valia, pois era pela verdade.

Qual é a Igreja que o sr. acredita que será necessária no século 21?

Não é uma questão de busca por influência política. A busca é mesmo por um testemunho da mensagem. Não se pode ter duas medidas, uma atitude dentro da Igreja e outra fora que não condiz. O mundo está atravessando uma grande mudança que não é comparável a nada que já vivemos. O momento é extremamente exigente. Isso exigirá da Igreja uma grande capacidade de escuta. A questão que se coloca é se podemos ainda defender verdades eternas, que é justamente a proteção do homem e da mulher.

O sr. acredita que chegou a hora de ter um papa de um país em desenvolvimento?

Há um deslocamento da presença da Igreja no mundo, como resposta às populações: na África e na América Latina, onde há um sentido de religiosidade forte, e na Ásia, onde a Igreja está se desabrochando. São fenômenos reais e que a Igreja considera como importantes. Já a Europa vive o momento em que ficaram os monumentos históricos, mas não há vocação. Há uma grande diminuição de pessoas (fiéis), algo realmente preocupante.

Mas isso significa que o próximo conclave poderá eleger um latino-americano?

Essa possibilidade existe sim. Mas as coisas não acontecem de supetão aqui. A Igreja tem um zelo muito grande. Dentro do conclave, é a qualidade pessoal de cada um que pesa. Às vezes, pode-se chegar à conclusão de que ainda não é o momento.

Vaticanistas e a imprensa especializada apontam o nome do sr. como um dos ‘papáveis’. Entendo que o sr. não possa se apresentar como candidato, mas como se sente ao ter o nome citado?

Vou viver meu primeiro conclave. Nunca poderia imaginar que chegaria a isso. Na verdade, não é que eu não possa dizer que sou candidato. Sou um dos 125 candidatos.

Uma das marcas dos últimos anos no Vaticano seria a disputa interna entre diferentes personalidades. Essas tensões de fato existem dentro da Santa Sé?

Há uma fidelidade grande entre os cardeais. Mas é lógico que existem tensões. Há dificuldades e existem diferentes estilos, personalidades, formas de viver as coisas. Uns querem o diálogo, outros destacam a autoridade. Não é tão serena a coisa. Mas não acredito que exista maldade.

O escândalo do roubo dos documentos internos do papa por seu mordomo pesou na decisão de Bento XVI de renunciar?

Ele sofreu muito com isso. Essa história criou vulnerabilidades. Para uma pessoa de 85 anos, é natural que ele esteja preocupado com o fato de uma deterioração de sua situação.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo