Descoberta população de bactérias que poderia sobreviver em Marte

A água, mantida a temperaturas abaixo de zero, é tão salgada que não congela, e não contém oxigênio

estadao.com.br

07 Junho 2010 | 15h31

Ravinas marcianas, que podem ter sido criadas por fluxos de água. MRO/Nasa

 

Uma equipe de cientistas informa ter descoberto que bactérias que se alimentam de metano são capazes de sobreviver numa nascente canadense que é semelhante a ambientes que podem existir, ou ter existido, no planeta Marte.

 

A água, mantida a temperaturas abaixo de zero, é tão salgada que não congela, e não contém oxigênio que possa ser aproveitado por seres vivos. Existem, no entanto, bolhas de metano que emergem para a superfície, o que deixou pesquisadores curiosos quanto à origem do gás.

 

"Ficamos surpresos ao não encontrar bactérias produtoras de metano em Lost Hammer", disse Lyle Whyte, da Universidade McGill. "Mas encontramos outros organismos, que sobrevivem essencialmente comendo metano e provavelmente respiram sulfato em vez de oxigênio".

 

Recentemente, cientistas descobriram a existência de gelo e metano em Marte. O planeta contém ainda desfiladeiros em sua topografia que podem ter sido escavadas por nascentes como a canadense Lost Hammer.

 

"A questão é que não importa da onde vem o metano", disse Whyte. "Se existe uma situação onde há água muito gelada e salgada, isso tem o potencial de sustentar uma comunidade de micróbios, mesmo num ambiente extremamente hostil".   

Mais conteúdo sobre:
marte vida vida extraterrestre micróbios

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.