Eleição demorada é possibilidade remota

Presidente da CNBB acredita que novo papa deve ser eleito nesta semana, no máximo até sexta-feira

José Maria Mayrink, Enviado especial,

11 Março 2013 | 23h50

VATICANO - Os escrutínios ou votações se desenrolarão em séries de três dias, a partir de amanhã, até a eleição do papa. Serão necessários dois terços dos votos, até mesmo após 34 escrutínios, se o processo chegar até esse ponto, quando serão votados apenas os dois cardeais que liderarem a votação. Esses dois serão votados, mas não poderão votar.

Conclave tão demorado é hipótese remota. A previsão feita por alguns eleitores, como o cardeal d. Raymundo Damasceno, arcebispo de Aparecida e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), é de que o novo papa seja eleito esta semana, no máximo até quinta ou sexta-feira.

A fumaça sairá da chaminé do teto da Capela Sistina após as duas votações da manhã e as duas da tarde (e após a votação única de hoje): fumaça escura, quase preta, enquanto o papa não for eleito. Confirmada a eleição, a fumaça branca dará a confirmação na Praça São Pedro, acompanhada pelas badaladas dos sinos da Basílica de São Pedro. Em caso de dúvida sobre o colorido da fumaças, são os sinos que confirmam a eleição.

O cardeal eleito se torna papa no momento em que aceita o cargo e escolhe o nome pelo qual quer ser chamado. Em seguida, dirige-se à Sala das Lágrimas, anexa à Capela Sistina, e recebe as vestes de romano pontífice.

Anúncio

Enquanto isso o protodiácono, o cardeal francês Jean-Louis Tauran neste conclave, dirige-se à sacada principal da Basílica de São Pedro para fazer o anúncio em latim. "Annuntio vobis gaudium magnum: habemus Papam! Eminentissimum ac reverendissimum dominum, dominum … (e dá o nome do eleito, em latim). Tradução: "Eu vos anuncio uma grande alegria: temos um papa - o eminentíssimo e reverendíssimo senhor …"

Demoram mais uns 40 minutos para o novo papa aparecer na loggia (sacada) da Basílica de São Pedro para dar a bênção Urbi et Orbi ( à Cidade de Roma e ao Mundo), sua primeira bênção. Antes de deixar a Capela Sistina, ele terá sido cumprimentado por todos os cardeais eleitores. Cada um se ajoelha a seus pés e lhe promete obediência.

O novo papa volta à Casa de Santa Marta, onde ocupará um apartamento especial, depois de jantar com os cardeais. A partir da eleição, o papa inicia o exercício de seu mandato, com autoridade sobre toda a Igreja Católica, mas a entronização ou posse só ocorrerá alguns dias depois. O tempo suficiente para a chegada de delegações governamentais e religiosas ao Vaticano para a cerimônia: uma missa solene na Praça São Pedro.

Mais conteúdo sobre:
papa novo papa conclave Bento XVI renúncia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.