Carlos Nogueira
Carlos Nogueira

Elevação de 10 cm no nível do mar poderá dobrar inundações costeiras

Estudo inclui pela primeira vez, nesse tipo de cálculo, a influência das ondas, marés e tempestades, concluindo que as previsões feitas até agora subestimavam os impactos; estrago será maior nas cidades litorâneas dos trópicos

Fábio de Castro, O Estado de S.Paulo

18 Maio 2017 | 10h00

Um  novo estudo feito  por cientistas americanos aponta que uma elevação do mar de 5 até 10 centímetros dobrará o risco de inundação na maior parte das regiões costeiras do mundo. O estrago será maior nas cidades litorâneas das regiões tropicas, como o Atlântico Sul, incluindo toda a costa brasileira. De acordo com a maior parte dos estudos realizados até hoje sobre o tema, entre 2030 e 2050 a elevação  dos oceanos  será justamente de 5 a 10 centímetros. 

Segundo os autores do novo estudo, que foi liderado por Sean Vitousek, da Universidade Illinois em Chicago (Estados Unidos), as inundações costeiras são causadas por ressacas extremas, que por sua vez resultam de fatores simultâneos como ondas, ventos e marés. A pesquisa foi publicada nesta quinta-feira, 18, na revista Scientific Reports.

"Mas, até agora, as estimativas de aumento das inundações ligadas à elevação do nível do mar não incluíam os efeitos das ondas, marés e ressacas – e por isso os riscos estavam subestimados. Considerando esses fatores, em muitas regiões, uma pequena elevação do oceano já será suficiente para dobrar as inundações", disse Vitousek ao Estado.

Segundo o estudo, as regiões com variabilidade mais limitadas do nível da água - que se concentram nos trópicos - terão o maior aumento na frequência de inundações costeiras. De acordo com Vitousek, o impacto das inundações nos trópicos poderá destruir as economias em desenvolvimento das cidades costeiras equatoriais e tornar as nações insulares do Oceano Pacífico inabitáveis.

Brasil. De acordo com os autores, com um aumento de 5 a 10 centímetros do nível dos oceanos iriam dobrar a frequência dos eventos de inundação em diversas regiões do mundo. 

O mapa feito pelos cientistas (ver no fim do texto) revela que, na parte norte da costa brasileira - do Amapá até a Paraíba, uma elevação de 2,5 centímetros no nível do mar já dobrará os eventos de inundações das cidades costeiras. Na faixa que vai da Paraíba até o Rio de Janeiro, será preciso uma elevação de 5 centímetros para dobrar a destruição costeira. Entre o Rio de Janeiro e o Rio Grande do Sul, as inundações serão dobradas com uma elevação de 7,5 centímetros.

“Considerando vários fatores combinados - como a urbanização local, por exemplo -, cidades como Vitória e Rio de Janeiro sofrerão bastante impacto”, afirmou Vitousek. 

No artigo, os cientistas afirmam que a elevação do nível do mar tem seis consequências principais: inundação passiva de áreas costeiras baixas durante as marés altas, maior frequência, severidade e duração das inundações costeiras, aumento da erosão das praias, inundação das águas subterrâneas com água salgada, mudanças na dinâmica das ondas e o deslocamento de comunidades.

Método. Para realizar o estudo, os cientistas utilizaram um método estatístico conhecido como teoria do valor extremo. Eles combinaram as projeções de elevação do nível do mar com modelagens matemáticas, baseadas em séries históricas, da variação de marés, da altura das ondas e de tempestades oceânicas. Com isso foi possível estimar a provável intensificação das inundações costeiras. 

"Em geral, a elevação do nível do mar ao longo das décadas é significativamente menor que as flutuações normais causadas por marés, ondas e tempestades. Mas, considerando todos os fatores, mesmo uma elevação gradual do nível dos oceanos pode aumentar rapidamente a frequência das inundações costeiras", disse Vitousek.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.