Elon Musk / New Space
Elon Musk / New Space

Elon Musk divulga design atualizado de seu próximo lançador espacial

Em artigo na revista New Space, o presidente da Space X revela novos detalhes de seu Big Falcon Rocket e mostra como financiará a versátil nave que levará humanos a Marte

Fábio de Castro, O Estado de S.Paulo

26 Março 2018 | 17h51

Em fevereiro, a empresa Space X lançou ao espaço, com sucesso, o Falcon Heavy, considerado o mais poderoso foguete da atualidade. Proprietário da empresa, o empresário Elon Musk enviou a bordo seu carro Tesla Roadster. Agora, Musk acaba de revelar detalhes sobre seu próximo passo para liderar o envio de humanos a Marte. 

Em artigo publicado na revista científica New Space nesta segunda-feira, 26, Musk apresenta o design atualizado do Big Falcon Rocket (BFR), um lançador ainda mais poderoso que o Falcon Heavy, que servirá também como um veículo espacial inteiramente modificado que pode ser enviado à Estação Espacial Internacional - um passo fundamental para a jornada a Marte. O lançador também pode levar carga ou astronautas e pode permite reabastecimento em plena órbita.

Além de apresentar detalhes sobre o design do BFR, Musk apresenta um plano de negócios especificando como será o financiamento do projeto. O empresário também faz uma síntese de sua visão e seus objetivos em uma futura missão tripulada a Marte.

Musk apresenta ainda o desenvolvimento de um imenso tanque de fibra de carbono capaz de armazenar o oxigênio líquido criogênico necessário para abastecer o foguete e descreve o ponto mais importante para os negócios da Space X: como será a operação de reabastecimento do foguete em órbita.

No artigo, Musk também relata os progressos feitos para aperfeiçoar o pouso e a atracação das naves levadas pelo foguete, inclui informações sobre as modificações feitas até agora e apresenta as dramáticas diferenças de capacidade de carga entre outras versões do BFR e a atual.

"A descrição do BFR feita por Elon, assim como o impressionante sucesso recente do lançamento do Falcon Heavy, indicam até onde a Space X chegou em seu objetivo de estabelecer os elementos necessários para promover uma redução radical dos custos da exploração do espaço profundo", disse o editor da revista, Scott Hubbard, pesquisador da Universidade Stanford (Estados Unidos).

"Queremos tornar nossos veículos atuais redundantes. Isto é, queremos ter um sistema - um propulsor e uma nave - que substitua o Falcon 9, o Falcon Heavey e o Dragon. Se pudermos fazer isso, todos os recursos utilizados nesses três foguetes poderão ser utilizados no novo sistema", disse Musk.

Segundo Musk, o BFR terá 48 metros de comprimento, com massa de cerca de 85 toneladas e terá capacidade para 1,1 tonelada de propelente - o combustível de foguetes. 

"A diferença de capacidade de carga do BFR e dos outros veículos é dramática. Com uma configuração totalmente reutilizável, temos a expectativa de levar até 150 toneladas para a órbita da Terra. O Falcon Heavy, que é parcialmente reutilizável, tem capacidade para 30 toneladas", disse Musk.

A área pressurizada de carga, com 825 metros cúbicos, é maior que a de um avião A380. Segundo Musk, além do amplo espaço para tripulantes, o BFR terá uma área de armazenamento, um abrigo para tempestades solares e uma área de entretenimento.

"Na viagem a Marte, que leva pelo menos três meses, mas pode levar seis, não vamos querer um assento, mas uma cabine. Na nossa configuração para a viagem para Marte, teremos 40 cabines. Com duas a seis pessoas por cabine, poderemos enviar cerca de uma centena de passageiros em uma viagem", explicou.

Musk afirma que essa redundância dos sistemas será fundamental para o financiamento do BFR. "Alguns de nossos clientes são conservadores e querem ver o BFR voar várias vezes antes de usá-lo. Então planejamos construir um estoque de foguetes Falcon 9 e Dragon. Se eles quiserem utilizar os foguetes ou naves antigos, poderão fazê-lo, porque teremos vários no estoque."

"Mas todos nossos recursos irão para a construção do BFR. Acreditamos que podemos fazer isso com as receitas dos lançamentos de satélites e dos serviços na estação espacial", escreveu Musk.

Uma das inovações fundamentais do BFR é o enorme tanque criogênico de oxigênio líquido, já testado, segundo Musk. Ele terá 12 metros de diâmetro e capacidade para mil metros cúbicos sob pressurização. "Desenvolvemos uma nova matriz de fibra de carbono muito mais forte e capaz de suportar o congelamento que qualquer outra. O tanque levará 1.200 toneladas de oxigênio líquido."

Outro elemento chave é o "pouso propulsivo", que permite que o foguete faça suas descidas na vertical viabilizando a reutilização total. O recurso já tem sido utilizado nos foguetes atuais da Space X, mas será aperfeiçoado. "Para pousar na Lua, onde não há atmosfera, ou em Marte, onde ela é muito rarefeita, não é possível utilizar asas. Por isso o pouso propulsivo precisa ser perfeito", disse o empresário.

A próxima tecnologia a ser desenvolvida, segundo Musk, é um sistema totalmente automatizado de interceptação e atracação do veículo a outras naves, que permitirá o reabastecimento em órbita. "Para reabastecer a nave em órbita, será preciso fazer a interceptação e a atracação com alta precisão e transferir o propelente. Essa é uma das coisas que estamos aperfeiçoando com o Dragon", disse.

Segundo Musk, a nave será lançada e reabastecida na órbita da Terra antes de iniciar a viagem para Marte. Lá, será preciso ter um local para produção de propelente, para que seja possível voltar à Terra. 

"Marte tem CO2 na atmosfera e está cheio de gelo de água. Com CO2 e H2O à disposição, teremos CH4 (metano) e O2 (oxigênio)", disse Musk. "Mas como em Marte a gravidade é menor que a da Terra, lá não será preciso utilizar tanta propulsão - então poderemos fazer todo o caminho de Marte até a Terra utilizando apenas a espaçonave. A capacidade então será de 20 a 50 toneladas de carga, mas a viagem de volta será feita em um único estágio."

No artigo, Musk afirma que planeja lançar sua primeira missão de carga para Marte em 2022. "Já começamos a construir o  sistema - o ferramental para os tanques principais foram encomendados e as instalações estão sendo construídas para começarmos a montar a primeira nave no segundo trimestre de 2019. Acredito que conseguiremos completar a nave em cinco anos", afirmou.

Para 2024, os planos de Musk são de tentar enviar quatro naves - duas de carga e duas com tripulação - ao planeta vermelho. O objetivo da primeira missão, segundo ele, será encontrar a melhor fonte de água. 

"Para a segunda missão, a meta é construir a fábrica de propelente. Com seis naves lá, teremos capacidade para construir o depósito de propelente, que consiste de um grande conjunto de paineis solares e tudo que é necessário para mineração e refino da água, retirar CO2 da atmosfera e então criar e armazenar o metano e o oxigênio.

A base em Marte começará com uma nave e depois receberá várias delas. "Aí começaremos a construir uma cidade e vamos fazê-la ficar maior e depois ainda maior. Ao longo do tempo vamos reformar Marte e torná-lo um bom lugar para se estar."

Mais conteúdo sobre:
Space X Elon Musk Marte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.