Espaçonave Rosetta revela que água da Terra não veio de cometas

Análise da água oriunda do cometa que a Rosetta orbita desde agosto revela que há 3 vezes mais deutério - variação atômica do hidrogênio comum - que hidrogênio em moléculas de água na Terra

IRENE KLOTZ, REUTERS

10 Dezembro 2014 | 20h32

Resultados iniciais da espaçonave europeia Rosetta desafiam uma teoria sustentada durante muito tempo, segundo a qual os cometas trouxeram água à Terra primitiva, mostrou um estudo divulgado nesta quarta-feira, 10.

As análises químicas da água oriunda do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, que a Rosetta orbita desde agosto, revelam que tem três vezes mais deutério - uma variação atômica do hidrogênio comum - do que o hidrogênio em moléculas de água na Terra, disse a cientista Kathrin Altwegg, da Universidade de Berna e integrante da missão Rosetta.

A água é composta de dois átomos de hidrogênio ligados por um átomo de oxigênio. Na Terra, três em cada 10 mil moléculas de água tem o deutério, pesado isótopo de hidrogênio.

A menos que o 67P seja muito incomum, Kathrin afirmou que a descoberta elimina os cometas como a fonte de água da Terra e provavelmente de seus elementos orgânicos também.

Tanto a água quanto os compostos de carbono foram necessários para a vida evoluir. As descobertas fazem dos asteroides as prováveis fontes de água da Terra, embora seja provável que os miniplanetas que bombardearam a Terra jovem tivessem pouca semelhança com os corpos secos e rochosos que circundam o sol para além de Marte atualmente.

Mais conteúdo sobre:
ROSETTA ÁGUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.