Ex-astronautas que foram à Lua condenam plano de Obama para o espaço

Neil Armstrong e Eugene Cernan, o último homem a visitar a Lua, falaram em audiência no Senado

Associated Press

12 Maio 2010 | 16h17

Neil Armstrong, o primeiro homem a pisar na Lua, e outros ex-astronautas disseram ao Congresso dos EUA que a visão do presidente Barack Obama para o futuro dos voos ao espaço tripulados fará com que os EUA percam a liderança na área.

 

Missão a asteroide é mais difícil e perigosa que pousar na Lua

Na nova estratégia, órbita da Terra vira domínio privado

Obama descarta retorno à Lua e prevê pouso em Marte depois de 2035

 

Armstrong e Eugene Cernan, o último homem a visitar a Lua, disseram a uma audiência no Senado que a decisão de Obama, de abandonar o plano de retorno á Lua do governo Bush, enfraquecerá o programa espacial tripulado dos Estados Unidos.

 

No mês passado, Obama havia dito a funcionários da Nasa que estava comprometido com a exploração espacial tripulada, e que previa a chegada de astronautas á órbita de Marte na década de 2030.

 

Mas Cernan disse que Obama estava fazendo "um voto de mediocridade".

 

Armstrong reconheceu que o plano de Bush não vinha recebendo financiamento adequado mesmo enquanto o ex-presidente estava no poder, mas afirmou que seguir a estratégia de Obama, de esperar que o setor provado desenvolva veículos para o acesso à órbita terrestre, limitará os EUA a comprar passagens para o espaço da Rússia.

 

Cernan fez críticas ainda mais duras, prevendo que serão necessários dez anos para que a iniciativa privada consiga levar astronautas ao espaço em segurança.

Mais conteúdo sobre:
obama nasa espaço lua marte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.