EXCLUSIVA-Mulheres merecem maior papel na Igreja, diz cardeal influente

A Igreja Católica Romana deveria abrir-se para as mulheres no próximo pontificado, dando-lhes mais posições de liderança no Vaticano e outras áreas, de acordo com um cardeal que terá grande influência na eleição do próximo papa.

PHILI, Reuters

03 Março 2013 | 12h26

Em uma entrevista exclusiva à Reuters, o cardeal argentino Leonardo Sandri, de 69 anos, também disse que o próximo papa não deve ser escolhido de acordo com a área geográfica, mas tem de ser um "homem santo" qualificado para liderar a Igreja em um tempo de crise.

Ele afirmou que um dos maiores desafios para a Igreja tem sido tentar reconquistar aqueles que sofrem de "perda de fé", que "viraram as costas para Deus" e a Igreja de seus pais.

Sandri, um diplomata experiente e ex-número 2 na burocracia do Vaticano, terá grande influência na escolha do homem que sucederá o papa emérito Bento 16.

"O papel das mulheres no mundo tem aumentado e isso é algo para a Igreja se questionar", disse Sandri em seu escritório diante da Praça de São Pedro, onde ele dirige o departamento do Vaticano para as Igrejas Católicas Orientais.

"Elas devem ter um papel muito mais importante na vida da Igreja ... para que possam contribuir para a vida da Igreja em muitas áreas que hoje são, em parte, abertas apenas aos homens ... Este será um desafio para nós no futuro".

No momento, as mulheres -- na maioria, freiras -- só podem atingir o posto de subsecretário em departamentos do Vaticano, cargo que é o terceiro na hierarquia, depois do presidente e secretário, até agora ocupados somente por homens ordenados. Atualmente apenas duas mulheres são subsecretárias, uma freira e uma leiga.

Sandri, filho de imigrantes italianos, tem sido apontado como um candidato a papa. Ele disse ser "justo" que as mulheres tenham posições mais importantes na administração do Vaticano, onde elas "podem dar uma contribuição muito importante por causa de suas qualificações".

Ele acrescentou: "Mas elas também devem ser coparticipantes no diálogo e na análise da vida da Igreja e em outras áreas, até mesmo na formação dos sacerdotes, onde podem desempenhar um papel muito, muito importante".

SACERDOTES

A Igreja ensina que as mulheres não podem se tornar padres porque Jesus voluntariamente escolheu apenas homens como seus apóstolos. Sandri não deu nenhuma indicação de que essa regra possa ser alterada.

Sandri deu a entrevista num momento em que cardeais de todo o mundo se preparam para reuniões preliminares na segunda-feira, antes do conclave a portas fechadas para escolher um novo papa, previsto para começar por volta de 10 de março, na Capela Sistina.

Ele disse que o próximo papa deve ter força santidade, física, habilidades de comunicação e a capacidade de governar.

"O problema é encontrar as quatro qualidades juntas. Às vezes, alguém tem um excesso de uma qualidade e menos de outras ... para mim, a coisa mais importante é que ele seja um homem de fé que não tenha medo", disse o cardeal.

"Eu gostaria que o novo papa fosse alguém que acima de tudo seja, se ainda não, é um santo - algo que é difícil pedir -- alguém que esteja pelo menos na caminhada rumo à santidade por meio de uma vida de humildade, oração, trabalho e testemunho do Evangelho ", disse Sandri.

Mais conteúdo sobre:
RELIGIAO CARDEAL PAPA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.