Andre Lessa/AE
Andre Lessa/AE

Fecundidade: Famílias com baixa renda e escolaridade têm taxas acima da reposição

Taxa geral caiu de 2,38 filhos por mulher para 1,86; taxa de reposição é de 2,1

Luciana Nunes Leal,

17 Outubro 2012 | 10h01

A taxa de fecundidade caiu de 2,38 filhos por mulher em 2000 para 1,86 em 2010, o que indica que pela primeira vez o Brasil ficou abaixo da taxa de reposição, de 2,1 filhos por mulher. Em 1940 a taxa brasileira era de 6,16 filhos por mulher.

 

Os dados que já tinham sido divulgados pelo IBGE foram detalhados segundo raça, renda e escolaridade da população. As mulheres indígenas foram as únicas que mantiveram a taxa de 2000, de 3,8 filhos. A região Norte é a única que tem a taxa acima da reposição, com 2,1 filhos. Nas camadas de baixa instrução e baixa renda as taxas também estão acima dos níveis de reposição.

 

Entre as mulheres sem estudos ou com o fundamental incompleto, a taxa chega a 3,09 filhos. As que têm entre o ensino fundamental completo e o ensino médio incompleto, a taxa é de 2,54 filhos. A partir do curso médio completo, as taxas caem para 1,34 filho e 1,14 filho no caso das mulheres que têm curso superior. A taxa de menos de 2,1 filhos por mulher indica, segundo o IBGE, que a partir da década de 2030 a tendência será de diminuição da população.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.