Denis Farrell/AP
Denis Farrell/AP

Fóssil na África pode explicar tamanho dos dinossauros

O Aardonyx celestae caminhava sobre as patas traseiras, mas podia adotar uma postura quadrúpede

Associated Press,

11 Novembro 2009 | 13h55

Uma espécie de dinossauro recém-descoberta, que existiu há 200 milhões de anos, pode ajudar a explicar como as criaturas evoluíram para se tornar os maiores animais terrestres, disseram cientistas na África do Sul.

 

O Aardonyx celestae era um herbívoro de cabeça pequena e com um tórax enorme, e os cientistas dizem que ele pode se mostrar um elo importante na cadeia evolucionária.

 

"Este é, sem sombra de dúvida, um novo tipo de dinossauro, que nunca vimos antes e que tem uma posição significativa da árvore da família dos dinossauros", disse o paleontólogo australiano Adam Yates.

Yates liderou a pesquisa com diversos cientistas africanos e de outras partes do mundo. Os resultados estão publicados na edição desta quarta-feira, 11, na revista britânica  Proceedings of The Royal Society B.

 

O Aardonyx celestae caminhava sobre as patas traseiras, mas podia adotar uma postura quadrúpede e tinha cerca de 1,8 metro de altura no quadril, disseram os cientistas. Ele tinha cerca de dez anos de idade quando morreu, pesando 500 kg. Sua morte parece ter sido causada por uma seca.

 

Yates disse que o animal tem muitas características dos herbívoros que andavam sobre duas patas, bem como se seus descendentes. Esses saurópodos, conhecidos popularmente como brontossauros, cresceram até tamanhos enortmes e passaram a ser totalmente quadrúpedes.

 

A nova descoberta revela um estágio intermediário na evolução dessas criaturas, disse Yates. "O aardonyx nos dá um vislumbre do que havia nos primeiros passos no caminho para se tornar um saurópodo", disse ele.

Mais conteúdo sobre:
dinossauro fóssil evolução

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.