Genoma do café pode revelar segredos sobre sabor e aroma da bebida

Cientistas sequenciaram genoma e descobriram que a planta tem ampla gama de enzimas que interfere na produção de cafeína

AFP

04 Setembro 2014 | 17h01

Uma equipe internacional de pesquisadores sequenciou o genoma do café, revelando segredos sobre aromas e sabores de uma das bebidas mais populares do mundo. A pesquisa abre caminho para novas variedades da planta, de melhor qualidade e mais resistentes.

Os resultados obtidos "podem ser um passo significativo em direção à melhora do café", disse Philippe Lashermes, pesquisador do Instituto francês de Pesquisa e Desenvolvimento. Diariamente são consumidas 2.250 bilhões de xícaras de café no mundo.

A equipe sequenciou o genoma de um tipo de planta de café conhecida como Coffea canephora, que representa cerca de 30% da produção mundial. Os pesquisadores descobriram que o café tem uma ampla gama de enzimas, como a N-methyltransferases, que interfere na produção da cafeína.

As enzimas de cafeína do café estão mais diretamente relacionadas com outros genes da planta que as enzimas de cafeína do chá e do chocolate.

Os cientistas afirmam que isso provavelmente significa que a produção de cafeína se desenvolve independentemente no café.

A informação deve ser compartilhada e usada para fortalecer as plantas contra as mudanças climáticas e as pragas, conforme se afirma em um artigo que acompanha a pesquisa, escrito por Dani Zamir, do Instituto de Ciência Florestal e Genética da Universidade de Jerusalém.

"O desafio agora é converter estes novos genomas decodificados em novas e melhores ferramentas para o cultivo das plantas", destaca Zamir.

Mais conteúdo sobre:
café

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.