Grupo de cientistas decifra genoma do ornitorrinco

Genes do animal mais distante do homem revelam proximidade com aves, répteis e mamíferos

Agências Internacionais

07 Maio 2008 | 16h58

Um grupo internacional de cientistas decifrou o genoma do animal mais distante geneticamente do homem, o ornitorrinco, segundo o jornal El País. A descoberta, publicada esta semana na revista Nature, esclarece que a espécie está no meio do caminho entre mamíferos e répteis, possuindo também algumas características exclusivas.   A pesquisa, realizada por 30 laboratórios de oito países, analisou os dois milhões de pares de bases de DNA de um ornitorrinco e encontrou que 80% dos genes codificadores de proteínas são comuns a mamíferos, répteis e aves.   Segundo a Agência Efe, as proteínas do veneno do ornitorrinco pertencem à mesma família genética dos répteis e as do seu leite, à mesma família dos mamíferos. Já as proteínas de seu sistema imunológico derivam de sua própria biologia.   O animal tem características mistas de aves (bico de pato), mamíferos (corpo coberto de pêlos) e répteis (se reproduz pondo ovos) e não parece pertencer a nenhum grupo de animais conhecido.   Segundo o jornal, o homem se separou dos ornitorrincos na linha evolutiva há 166 milhões de anos, mas, por serem ambos mamíferos, há grandes similaridades genéticas. Cientistas defendem que entender o genoma do ornitorrinco pode dizer muito sobre como funciona o do homem, ajudando no avanço do entendimento de nossa própria espécie.

Mais conteúdo sobre:
genética ornitorrinco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.