IBGE/Divulgação
IBGE/Divulgação

IBGE: urbanização atinge 80% da população brasileira

Dados da nova edição do 'Atlas Nacional do Brasil Milton Santos' foram divulgadas nesta terça-feira

estadão.com.br e Agência Brasil,

14 Dezembro 2010 | 10h00

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) lança nesta terça-feira, 14, o Atlas Nacional do Brasil Milton Santos. O livro, que traz 548 mapas, 76 gráficos, oito tabelas, seis fotos e 14 imagens de satélite, atualiza informações geográficas sobre o território brasileiro. Entre os destaques, estão os mapas referentes à cadeia produtiva (carne, algodão herbáceo e mandioca) e o da distribuição dos estabelecimentos agropecuários, publicados pela primeira vez nesta edição.

 

De acordo com o IBGE, a primeira obra desse tipo foi lançada pelo instituto em 1959, com o nome de Atlas do Brasil. Em 1966, uma nova edição intitulada Atlas Nacional do Brasil trouxe atualização dos dados em algumas folhas. Em seguida, o IBGE lançou três publicações em formato semelhante ao atual, nos anos de 1992, 1996 e 2000.

 

O Atlas revela que o processo de urbanização alcança 80% da população brasileira, embora tenha crescido de maneira desigual ao longo da última década. Isso significa que poucas cidades concentram população e riqueza e multiplicando pequenos centros urbanos que abrigam uma força de trabalho pouco qualificada e fortemente vinculada às atividades primárias.

 

Aglomerações urbanas e 49 cidades com mais de 350 mil habitantes abrigam 50% das pessoas em situação urbana no país e detêm, aproximadamente, 65% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional. No outro extremo, estão 4.295 municípios com menos de 25 mil habitantes, que respondem por 12,9% do PIB.

 

 
 IBGE/Divulgação

Outro ponto analisado pelos mapas do Atlas é o papel do Brasil no mundo utilizando a cartografia do mundo segundo o tamanho territorial e populacional dos países e daquela referente à diversidade natural e à desigualdade socioeconômica. Os mapas revelam que a diversidade de recursos naturais revaloriza o papel geopolítico do País, mas também apontam uma ampliação da desigualdades social.

 

A questão da litoralização e interiorização também se destaca no cenário da última década do País, aparecendo um processo que se aprofunda e se expressa pela expansão das cadeias produtivas de carne, grãos e algodão em direção ao Centro-Oeste e ao Norte. Isso revela uma modificação na geografia brasileira, aprofundando o processo de interiorização e alterando o traçado da rede urbana nacional.

 

 
 IBGE/Divulgação

 

Por outro lado, houve também uma revalorização do litoral, graças à expansão de atividades econômicas como o turismo, a exploração do petróleo e a logística portuária e aérea, que, além do adensamento da população e dos centros urbanos situados próximos ao mar.

 

Segundo a geógrafa Adma Hamam de Figueiredo, coordenadora do projeto do IBGE, o Atlas reúne informações variadas e é responsável pela difusão do conhecimento geográfico do Brasil entre estudantes de todos os níveis de ensino e para a população em geral.

 

"É um enorme conjunto de informações sobre o território brasileiro, desde a parte física, de recursos naturais, até aspectos sociais, na esfera socioeconômica. Trata-se de um retrato bastante complexo da realidade territorial do país", explicou.

 

A publicação se estrutura em torno de quatro grandes eixos: O Brasil no Mundo; Território e Meio Ambiente; Sociedade e Economia; e Redes Geográficas. O primeiro trata da inserção do Brasil no cenário mundial e aborda questões como a desigualdade social, o acesso a informações, as redes geográficas e as fontes energéticas. Ressalta que as diversas formas de inclusão do Brasil no mundo afetam a própria geografia do país, pois grande parte das atividades aqui desenvolvidas relaciona-se à competição mundial.

 

A relação entre território e meio ambiente enfatiza que o espaço geográfico representa um dos fundamentos da identidade nacional, o que torna o mapa uma referência central de seu reconhecimento no mundo. Trata da divisão política, da regionalização e do meio ambiente, destacando que o território brasileiro está submetido a tensão constante entre forças que induzem à interiorização da ocupação do território e, simultaneamente, ao reforço do processo histórico de litoralização.

 

O atlas pode ser adquirido na loja virtual do IBGE (http://www.ibge.gov.br/lojavirtual/default.php) e nas livrarias consignadas (http://www.ibge.gov.br/lojavirtual/livrarias.php).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.