Reprodução
Reprodução

Inseto com sexo trocado e 'vampiro' da Caatinga garantem dois Ig Nobel ao Brasil

Paródia do Nobel, o Ig Nobel premia pesquisas que fazem primeiro rir e depois, pensar; pesquisadores de Recife e de Lavras estão entre os 10 laureados. Veja galeria com todos os vencedores

Giovana Girardi, O Estado de S. Paulo

14 Setembro 2017 | 20h00

Correções: 15/09/2017 | 16h39

SÃO PAULO - O Brasil ainda não ganhou um Nobel de ciência, mas acaba de ser agraciado com dois Ig Nobel, a paródia da conceituado prêmio que homenageia pesquisas que, apesar de parecerem esdrúxulas, são aquelas que “primeiro fazem rir e depois, pensar”, como justificam os organizadores.

A láurea de Biologia vai para a descoberta de um inusitado inseto de cavernas que tem o sexo trocado – machos têm vaginas e fêmeas, pênis –, e a de Nutrição para um trabalho que identificou uma espécie rara de morcegos da Caatinga que desenvolveu uma preferência por sangue humano.

Os brasileiros se juntaram neste ano a pesquisadores do mundo inteiro que também foram laureados pelo Ig Nobel. Veja na galeria abaixo quem são os  ganhadores. Eles receberam o prêmio das mãos de genuínos vencedores do Prêmio Nobel em concorrida cerimônia no Teatro Sanders, na Universidade Harvard, nos Estados Unidos. 

Parecem brincadeira, mas são pesquisas sérias. A dieta do morceguinho-vampiro, por exemplo, trouxe à tona um cenário de desequilíbrio ambiental na região onde ele vive. O trabalho, publicado em dezembro do ano passado na revista Acta Chiropterologica por um trio da Universidade Federal de Pernambuco, foi o primeiro relato científico de sangue humano na alimentação da espécie Diphylla ecaudata

O morcego de perna peluda era até então conhecido por se alimentar somente do sangue de aves. Se ele passou a avançar sobre humanos, é porque algo está errado com a oferta natural de alimentos.

O biólogo Enrico Bernard admite que o resultado do trabalho, que envolve coletar fezes do morcego e fazer a análise de DNA das suas presas, é engraçado. Ele mesmo diz que ficou gargalhando o dia inteiro quando soube. “Perguntei qual era a categoria e me disseram: Nutrição. Ri mais ainda”, contou ao Estado. “Mas é uma descoberta que traz uma reflexão”, pondera.

“Esse animal só deveria consumir sangue de aves. E não encontramos DNA de nenhuma ave nativa, só de galinha, e de gente. É um sinal claro de defaunação e antropização da região”, explica.

As coletas foram feitas no Parque Nacional do Catimbau, a 300 km de Recife. Sendo uma unidade de conservação, não deveria ter gente vivendo dentro dele. “Mas a implementação do parque nunca foi concluída e tem centenas de pessoas ali. Pequenos produtores, que criam animais domésticos, o que levou a uma perda da fauna local”, alerta. 

Com bom humor, Bernard lembra que já houve o caso do físico Andre Geim, que após ganhar um Ig Nobel por fazer um sapo levitar, venceu depois o próprio Nobel, em 2010. E diz que agora vai acrescentar na assinatura de seu e-mail que ele é um “orgulhoso ganhador do Ig Nobel”. “Neste momento de crise financeira da ciência brasileira, estamos mesmo precisando de bom-humor. Dois prêmios neste ano. Estamos lavando a égua”, brinca.

O trio (Bernard, Fernanda Ito e Rodrigo Torres) enviou um videozinho aceitando o prêmio para ser apresentado na cerimônia. Veja abaixo.

Sexo trocado

A segunda láurea brazuca vai para o ecólogo Rodrigo Ferreira, da Universidade Federal de Lavras, que descobriu quatro espécies de inseto da ordem Psocodea, que vivem em caverna, cuja fêmea tem pênis e o macho tem vagina, algo que parece impensável em termos de biologia. O trabalho foi publicado na revista Current Biology em 2014.

Para a pergunta imediata – “mas como vocês sabem que quem tem a vagina não é a fêmea e quem tem pênis é que é o macho?” –, o pesquisador explica com toda a paciência do mundo:  “Em biologia, e vale lembrar que várias espécies não têm genitália, se convencionou definir o gênero pelo tamanho do gameta (óvulos e espermatozoides). As fêmeas produzem os gametas maiores e os machos, os menores. É isso que separa o gênero, por isso sabemos”.

Ah, tá. Mas e como fica o sexo, então? “É a fêmea, com o órgão erétil, que penetra a vagina do macho e ele pressiona o esperma para dentro do pênis dela”, conta Ferreira. E isso, ela faz, segundo o pesquisador, por realmente um longo tempo, de 40 a 70 horas.

Em vídeo enviado à cerimônia, os pesquisadores que também participaram do trabalham brincam que todo dicionário do mundo define pênis como uma estrutura masculina. "Nossa descoberta deixou bilhões de dicionários desatualizados", afirmam.

A situação tão única e diferente suscitou uma discussão sobre evolução sexual. Da forma como conhecemos na imensa maioria da natureza, é a fêmea que seleciona, e uma das coisas que ela leva em conta é o órgão reprodutivo dos machos. “Houve uma inversão da seleção sexual aqui, temos os machos selecionando. Por que será que houve essa inversão? Que tipo de processo pode ter levado a isso”, questiona o pesquisador.

Ele está agora no Japão com os outros pesquisadores ganhadores justamente tentando entender isso.

Até hoje apenas dois outros brasileiros tinha ganhando o Ig Nobel. É o pesquisador da USP Astolfo Araújo, e seu colega José Carlos Marcelino, do Departamento do Patrimônio Histórico de São Paulo, que descobriram como tatus bagunçam um sítio arqueológico. Isso pode causar a maior confusão se uma peça arqueológica mais antiga, que, portanto, estaria mais ao fundo no solo, acabar parando mais no alto, dando uma ideia errada sobre sua real idade.

O Ig Nobel é promovido pela revista humorística de ciência Annals of Improbable Research e chegou em 2017 a sua 27ª edição.

Correções
15/09/2017 | 16h39

Inicialmente o texto informava que o Brasil nunca ganhou nenhum Nobel, mas cerca de 60 pesquisadores brasileiros que compõem o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) foram contemplados, num conjunto de cerca de 3 mil cientistas, quando o painel da ONU recebeu a láurea da Paz em 2007, juntamente com o ex-vice-presidente americano Al Gore.

Mais conteúdo sobre:
Biologia Nutrição Prêmio Nobel Ig Nobel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.