Justiça do RS autoriza aborto de feto anencéfalo

Segundo o magistrado, exames e atestados médicos comprovam que morte do feto seria inevitável

Central de Notícias

28 Setembro 2011 | 16h48

SÃO PAULO - A Justiça do Rio Grande do Sul autorizou a uma gestante a interromper a gravidez de um feto anencéfalo. Na decisão da 1ª Vara do Júri, da última segunda-feira, 26, o juiz Leandro Raul Klippel afirmou que a intervenção se faz necessária a fim de preservar a saúde física e psicológica da gestante.

De acordo com os exames realizados, o feto tem má formação do crânio e defeito de fechamento da parede abdominal, deixando expostos o fígado e partes do intestino e do coração.

O magistrado concluiu que a autorização para o procedimento somente antecipa um fato inevitável, já que exames e atestados médicos mostram que é certa a morte do feto após o nascimento.

A mãe, moradora da cidade de Porto Alegre, estava na 16ª semana de gestação. O pedido foi ajuizado na Justiça no último dia 23.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.