Townsville Bulletin/BBC
Townsville Bulletin/BBC

Menina surpreende médicos ao sobreviver a ataque de água-viva letal

Australiana teve perna abraçada por tentáculos; veneno pode matar em apenas 3 minutos

Giovana Vitola, BBC

28 Abril 2010 | 06h24

Uma australiana de dez anos surpreendeu especialistas após sobreviver a um ataque de um cubozoário, um tipo de água-viva que vive no Pacífico e é tida como um dos animais mais venenosos da Terra.

Rachel Shardlow foi queimada pela criatura quando nadava com o irmão no rio Calliope, há mais de 23 quilômetros do oceano Pacífico, em Gladstone, norte da Austrália.

"Esses animais matam humanos mais rápido do que qualquer outro animal venenoso", disse o pesquisador e zoologista da Universidade de James Cook, em Queenland, Jamie Seymour. "Apenas três minutos são suficientes para ser fatal."

Quando os tentáculos da água-viva prenderam sua perna, Rachel sentiu falta de ar e perdeu a visão. O irmão a trouxe para a beira do rio e a criança ficou inconsciente por 30 minutos.

Rachel foi colocada em coma induzido, e após seis semanas de tratamento no Hospital de Brisbane, pode retornar para casa.

Para o zoologista, foi quase um milagre Rachel ter sobrevivido.

"Jamais soube de alguém de se salvou depois de tamanha extensão da queimadura", disse Seymour à rádio australiana ABC.

"Quando vi as fotos da perna dela, pensei: essa criança não deveria ter sobrevivido."

Segundo o professor, a universidade está interessada em saber quanto tempo Rachel vai levar para se recuperar completamente e se haverá alguma sequela.

Segundo o pai de Rachel, Geoff Shardlow, a pele da filha está com cicatrizes e ela também sofreu de perda de memória. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
austrália água-viva venenosa ataque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.