MG reconhece divórcio de união homoafetiva

Casal de mulheres estavam juntas há cerca de cinco anos; disputa de bens motivou separação

Solange Spigliatti - Agência Estado

27 Março 2012 | 09h00

SÃO PAULO - A Justiça de Minas Gerais reconheceu, no último dia 22, o fim de união homoafetiva de cerca de cinco anos entre duas mulheres, após pedido de uma delas requerendo os bens a que acreditava ter direito, segundo informações do Tribunal de Justiça (TJ) mineiro. Cabe recurso, segundo o TJ.

 

A sentença do juiz Genil Anacleto Rodrigues Filho, 26ª Vara Cível de Belo Horizonte, julgou parcialmente procedente o pedido de uma delas, que pretendia ter reconhecida a união, que já estava desfeita, para requerer os bens adquiridos. Segundo o TJ, com base nas provas apresentadas, a relação homoafetiva foi reconhecida, homologada e dissolvida pelo juiz.

 

Segundo o TJ, a mulher que entrou com a ação de reconhecimento e dissolução de união estável, com partilha de bens, alegou que manteve uma relação homoafetiva entre julho de 1995 e 2002. Segundo ela, neste período, afirmou ter adquirido com a companheira um apartamento no bairro Santo Branca, onde residiam, e ainda um veículo Ford Pampa.

 

Apesar de a outra mulher negar o relacionamento estável, documentos e depoimentos de testemunhas colhidos em audiência na 26ª Vara Cível e no fórum de Pará de Minas, o juiz concluiu que as "testemunhas ouvidas foram uníssonas" em afirmar que, de fato, as mulheres tiveram um relacionamento homoafetivo e viveram cerca de cinco anos em união estável.

 

Com isso, o juiz considerou o regime de comunhão parcial de bens para, com base nos comprovantes de depósitos apresentados pela mulher que entrou com a ação, reconhecer-lhe o direito a 8,69% do valor do imóvel, correspondente a prestações do imóvel pagas conjuntamente durante a convivência. Já o carro foi adquirido após a venda de outro veículo adquirido antes da união e portanto não será partilhado, segundo o TJ.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.