Mordomo do papa é preso por vazamento de documentos secretos

O mordomo do papa Bento 16 foi preso nesta sexta-feira como parte de uma investigação sobre o vazamento de documentos confidenciais, alguns deles denunciando clientelismo e corrupção nos contratos do Vaticano, informou uma autoridade de alto escalão do Vaticano.

PHILI, REUTERS

25 Maio 2012 | 15h30

O escândalo, que ficou conhecido como "Vatileaks", envolve o vazamento de uma série de documentos para a mídia italiana em janeiro e fevereiro, incluindo cartas pessoais enviadas ao papa.

Alguns documentos envolvem acusações de corrupção, má administração e clientelismo na concessão de contratos para trabalhos no Vaticano e desacordos internos no gerenciamento do Banco do Vaticano. Na quinta-feira, o presidente do banco, Ettore Gotti Tedeschi, foi demitido.

O porta-voz do Vaticano disse mais cedo nesta sexta-feira que uma pessoa de posse de documentos confidenciais havia sido presa, mas que eles não podiam divulgar o cargo nem a identidade dele até receberem permissão dos investigadores do Vaticano.

Uma fonte do Vaticano confirmou as notícias da mídia italiana de que a pessoa presa era o mordomo.

"É tudo muito triste", disse outra fonte do Vaticano, comentando o mais recente em uma série de constrangimentos para o Vaticano.

O mordomo do papa trabalha nos apartamentos do Palácio Apostólico, servindo as mesas papais, entregando rosários aos dignitários em visita e sentando na cadeira da frente do papamóvel nas audiências papais.

Como um integrante do círculo íntimo de funcionários papais, ele fica a par das movimentações das salas mais reservadas e particulares do Vaticano.

A mídia italiana noticiou que os investigadores descobriram documentos no apartamento dele.

Espantado e entristecido com os vazamentos, o papa determinou várias investigações, incluindo uma chefiada pela polícia do Vaticano e outra por uma comissão de cardeais.

Mais conteúdo sobre:
RELIGIAO VATICANO MORDOMOPRESO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.