Movimento do corpo influencia as emoções, diz novo estudo

Realizar movimentos ascendentes estimula lembranças agradáveis, sugere trabalho de cientistas alemães

31 Março 2010 | 20h01

Quando as pessoas falam sobre emoções positivas ou negativas, elas frequentemente usam metáforas relacionadas ao espaço. Uma pessoa feliz é alguém "para cima", uma pessoa triste está "por baixo".

 

Alguns cientistas acreditam que essas metáforas são uma pista para o modo pelo qual as pessoas entendem suas emoções: elas não apenas usam essa linguagem para falar sobre o assunto, mas pensam a respeito dos estados emocionais nesses termos.

 

Para testar o elo entre a orientação vertical no espaço e a emoção, num primeiro experimento a equipe do pesquisador Daniel Casasanto, do Instituto Max Planck, na Alemanha, pediu que estudantes movessem contas de vidro para cima ou apara baixo, colocando-as em uma de duas caixas de papelão, usando as duas mãos e seguindo um metrônomo.

 

Enquanto isso, tinham de relatar eventos de seu passado, com carga emocional positiva ou negativa, atendendo a pedidos como "conte-me algo que fez você se sentir orgulhoso" ou "conte-me algo que o deixou envergonhado".

 

Quando tinham de contar um evento positivo, a narrativa fluía melhor durante os movimentos para cima, mas quando era solicitada uma memória ruim, a resposta era melhor durante o movimento para baixo.

 

Num segundo experimento, os participantes receberam uma solicitação neutra, como "conte-me algo que aconteceu no ensino secundário". A escolha de uma narrativa triste ou alegre ficava por   conta de cada voluntário, mas os que moviam as contas de vidro para cima pareciam sentir-se estimulados a narrar eventos alegres, o oposto ocorrendo com os que deslocavam as contas para baixo.

 

Em nota divulgada pelo Max Planck, Casasanto especula que a conexão entre movimento e estado de espírito talvez possa ser aproveitada fora do laboratório, talvez como parte de uma terapia.

Mais conteúdo sobre:
psicologia comportamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.