Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial/AP
Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial/AP

Nasa vai usar bloco tirado de asteroide para treinar missões a Marte

Com custo estimado de US$ 1,25 bilhão, sem incluir gastos com lançamento, programa, está previsto para ter início em 2020

O Estado de S. Paulo

26 Março 2015 | 14h20

Uma nave-robô da Nasa vai extrair um grande bloco rochoso de um asteroide e lançá-lo ao redor da lua, para que se transforme em um destino de treinamento para futuras missões a Marte, disse a agência espacial norte-americana nesta quarta-feira, 26. 

A chamada Missão de Redirecionamento de Asteroide tem um custo estimado de US$ 1,25 bilhão, sem incluir gastos com o lançamento, e está prevista para ter início em dezembro de 2020.

A missão seria seguida cinco anos depois por uma expedição tripulada até a rocha espacial, em uma variante de um plano proposto pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, em 2010.

A Nasa também considerou capturar um asteroide menor e arrastar todo o corpo celeste para a órbita da lua, mas, após extensos estudos, a agência optou por extrair e deslocar um bloco de rocha, o que implica um custo de US$ 100 milhões maior. A justificativa é que isso proporciona uma melhor preparação para a meta final da agência, de pousar astronautas em Marte. 

“São coisas do tipo que sabemos que vamos precisar quando formos a outro corpo planetário”, disse o diretor associado da Nasa, Robert Lightfoot.

A Nasa planeja estudar o asteroide por cerca de um ano e testar técnicas para desviá-lo que um dia podem ser usadas para salvar a Terra de uma potencial colisão catastrófica. 

Um asteroide ou cometa atingiu o planeta há cerca de 65 milhões de anos, provocando mudanças climáticas que causaram o desaparecimento dos dinossauros e da maioria da vida que havia na Terra. 

Até agora, a Nasa escolheu três asteroides para a missão, mas espera tomar a decisão final de qual abordar somente em 2019.
/REUTERS

Mais conteúdo sobre:
ESPACO NASA MARTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.