Reuters
Reuters

Papa Bento XVI condena violência contra imigrantes na Itália

Pontífice diz que 'violência não deve ser nunca, para ninguém, a forma de se resolver as dificuldades'

Efe,

11 Janeiro 2010 | 08h55

O papa Bento XVI criticou neste último domingo, 10, os recentes episódios de violência contra imigrantes registrados na localidade italiana de Rosarno. Durante a habitual reza do Ângelus, na Praça de São Pedro do Vaticano, Bento XVI disse que "o imigrante é um ser humano, diferente por cultura e tradição". "Mas, de todos os modos, ele digno de respeito. A violência não deve ser nunca, para ninguém, a forma de se resolver as dificuldades", acrescentou.

 

Veja também:

linkImigrantes enfrentam polícia em ato contra racismo na Itália 

linkHomem que atirou no papa pode virar tema de documentário

 

"O problema, mais que tudo, é humano. Convido-os a olhar o rosto do outro e a descobrir que há um alma, uma história, uma vida e uma pessoa, à qual Deus ama como ama a mim", acrescentou.

 

Bento XVI se referiu aos episódios de violência que são registrados desde sexta-feira em Rosarno, aonde muitos imigrantes chegam para prestar serviços de apenas um dia e que foi palco de um protesto contra dois estrangeiros atacados na última quinta.

 

O pontífice também fez considerações "semelhantes" no que diz respeito ao homem e à sua diversidade religiosa, aproveitando a tragédia do assassinato de oito cristãos coptas no sul do Egito na saída de um serviço religioso na noite de 6 de janeiro.

 

"A violência contra os cristãos em alguns países gerou a indignação de muitos porque também se manifestou nas zonas mais sagradas da tradição cristã", declarou Bento XVI.

 

"É necessário que as instituições, sejam políticas ou religiosas, não façam menos do que suas responsabilidades demandam. Não pode haver violência em nome de Deus nem é possível honrá-lo ofendendo a dignidade e a liberdade dos semelhantes", acrescentou.

Mais conteúdo sobre:
Papa Bento XVI violencia imigrantes Italia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.