Papa homenageia São Venceslau, patrono da República Checa

Bento XVI disse que o santo é 'modelo para todos, especialmente para os que dirigem o futuro das comunidades'

Ansa,

28 Setembro 2009 | 15h47

Foto: AP

 

STARÁ BOLESLAV, República Checa - No último dia de sua visita à República Checa, o papa Bento XVI questionou os sucessos terrenos e divinos ao celebrar uma missa na Esplanada de Melnik, na cidade de Stará Boleslav, dedicada a São Venceslau, patrono do país.

 

Referindo-se ao religioso, o Pontífice disse que São Venceslau "é modelo de santidade para todos, especialmente para os que dirigem o futuro das comunidades e dos povos". "Mas nos perguntamos: em nossos dias, a santidade é ainda atual? Ou talvez não seja um tema pouco atraente e importante? Não se busca hoje mais o sucesso e a glória humana? Quanto dura, no entanto, e quanto vale o sucesso terreno?", interrogou Bento XVI.

 

São Venceslau nasceu em 907 na Boêmia (atual República Checa), filho do rei Wratislau, que em 925, antes de falecer, deixou o trono para o religioso. Venceslau é conhecido por sua inteligência, bondade e por ter aproximado a localidade em que vivia da Europa Ocidental e da sua cultura.

 

O rei e mártir morreu em 28 de setembro de 929, assassinado pelo irmão, Boleslau, que desejava reinar em seu lugar. Em homenagem ao patrono da República Checa há uma estátua, feita pelo escultor Josef Myslbek, na Praça São Venceslau, na capital do país, Praga.

 

Durante a missa, o Papa também destacou a necessidade de "pessoas que sejam crentes e credíveis, prontas a difundir em qualquer âmbito da sociedade aqueles princípios e ideais cristãos". "Esta é a santidade, que incentiva a cumprir o próprio dever com fidelidade e coragem, olhando não ao próprio interesse egoísta, mas sim ao bem comum, e procurando em todo momento a vontade divina", disse o Pontífice.

 

De acordo com Bento XVI, São Venceslau "encoraja quem se diz cristão a ser credível, ou seja, coerente com os princípios e a fé que professa. Não basta somente parecer bom e honesto, é preciso ser realmente".

 

"No século passado, caíram muitos poderosos, que pareciam terem alçado as alturas mais inacessíveis. De repente se viram privados de seu poder. Aqueles que negaram e continuam a negar Deus e, consequentemente não respeitam o homem, parecem ter vida fácil e conseguir um sucesso material", observou o Papa.

 

"Mas basta ir pouco além da superfície para constatar que, nestas pessoas, existem tristeza e insatisfações. Apenas quem conserva no coração o santo temor de Deus confia no homem e dedica sua existência a constituir um mundo mais justo e fraterno", ressaltou.

 

Ao término da cerimônia, que contou com a presença de quase 15 mil jovens peregrinos e outros 30 mil fiéis, o Pontífice ainda enviou uma mensagem aos adolescentes. "Como vocês, o Papa também se sente jovem", disse Bento XVI, pedindo para eles não cederem a "tentações falas" e a "alienações da sociedade de consumo" ou a recorrerem a "paraísos artificiais".

 

Antes da celebração, o Papa visitou a igreja de São Venceslau, orou e prestou homenagens às relíquias do santo. Esta é a primeira vez que um Pontífice vai à cidade de Stará Boleslav. Antes de Bento XVI, João Paulo II esteve por três vezes na República Checa, mas não visitou a localidade.

 

Em seu terceiro e última dia no país europeu, Bento XVI ainda almoçará com bispos da República Checa e com a comitiva Papal no Arcebispado de Praga antes de retornar à Itália. O Papa iniciou no último sábado a sua 13ª viagem internacional, a convite do presidente tcheco, Václav Klaus, e de bispos do país.

Mais conteúdo sobre:
Bento XVI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.