Papiro sobre 'mulher de Jesus' é falso, diz Vaticano

Um fragmento de papiro antigo que uma pesquisadora de Harvard afirma conter a primeira menção registrada de que Jesus pode ter tido uma mulher é uma farsa, disse o Vaticano nesta sexta-feira.

NAOMI OLEARY, Reuters

28 Setembro 2012 | 10h45

"Razões substanciais levam a concluir que o papiro é realmente uma falsificação grosseira", disse o jornal do Vaticano, L'Osservatore Romano, em um editorial escrito por seu editor, Gian Maria Vian. "De todas as formas, é uma farsa."

Ampliando um debate acadêmico altamente carregado de tensões sobre a autenticidade do texto, escrito em egípcio copta, o jornal publicou uma longa análise feita pelo especialista Alberto Camplani, da Universidade La Sapienza, de Roma, destacando as dúvidas sobre o manuscrito e pedindo cautela extrema.

O fragmento, onde se lê "Jesus disse-lhes, a minha mulher" foi apresentado pela professora de Harvard Karen King como um texto datado do século 4, em um congresso de estudos coptas em Roma, na semana passada.

O estudo dividiu a comunidade acadêmica, com alguns saudando como uma descoberta histórica enquanto outros rapidamente expressaram dúvidas sobre a autenticidade.

"É realmente muito improvável que ele seja autêntico", afirmou o docente Francis Watson, da Universidade de Durham, à Reuters, depois que ele publicou um artigo defendendo que as palavras no fragmento eram um rearranjo de frases de um texto copta bem conhecido.

Em um email enviado à Reuters após o término da conferência e antes do editorial do Vaticano, Karen disse: "Se, no final, o fragmento for mostrado como autêntico, ainda está para ser finalmente determinado, mas a conversa séria entre os estudiosos já começou."

Durante a conferência, Karen, de Harvard, destacou que o fragmento não deu "nenhuma evidência de que Jesus foi casado ou não", mas que os primeiros cristãos estariam conversando sobre a possibilidade.

(Reportagem adicional de Philip Pullella)

Mais conteúdo sobre:
RELIGIAO VATICANO JESUS FALSO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.