Divulgação
Divulgação

'Planeta suicida' parece prestes a mergulhar em estrela

Seu tamanho - dez vezes do de Júpiter, que é 11 vezes maior que a Terra - torna sua morte provável

Associated Press,

26 Agosto 2009 | 15h19

Astrônomos descobriram o que parece ser um gigantesco planeta suicida. O mundo está tão próximo de sua estrela que produz gigantescas mates no gás superaquecido do astro. Essas marés, por sua vez, estão afetando a órbita do planeta.

 

Revista australiana coleta mensagens para enviar ao espaço

Telescópio é capaz de achar novas Terras, diz Nasa

 

O resultado é uma dança da morte, na qual o planeta descreve uma espiral que o levará, finalmente, a mergulhar na estrela.

 

É uma morte lenta, ao menos em termos humanos. O planeta, Wasp-18b, pode ter ainda um milhão de anos pela frente, disse o descobridor do novo mundo, Coel Hellier, astrofísico da Universidade Keele, na Inglaterra. A descrição do planeta suicida está na edição desta semana da revista Nature.

 

"Ele está causando a própria destruição, ao provocar essas marés", disse Hellier.

A estrela é chamada Wasp-18 e o planeta, Wasp-18b, porque foram ambos descobertos pelo programa Wide Angle Search for Planets (Busca de Ânglo Amplo por Planetas). 

 

O planeta orbita a estrela na constelação da Fênix e está a cerca de 325 anos-luz da Terra, o que significa que está na vizinhança galáctica.

 

O planeta está a 3 milhões de quilômetros de sua estrela, ou 2% da distância que separa a Terra do Sol. Por conta disso, sua temperatura é de 2.100º C.

 

Seu tamanho - dez vezes do de Júpiter, que é 11 vezes maior que a Terra - torna sua morte provável, disse Helier.

 

A descoberta de um planeta suicida é algo tão raro que o astrônomo Douglas Hamilton, da Universidade de Maryland, questiona se não haveria outra explicação para a presença de Wasp-18b. Hamilton diz que é possível que os resultados de alguns cálculos que os astrônomos se acostumaram a usar estejam errados, e que esse planeta seja a prova. A resposta será conhecida dentro de uma década, quando estará claro se o planeta realmente está mergulhando numa espiral suicida.

Mais conteúdo sobre:
planeta planeta extrassolar júpiter nature

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.