Primeiros fósseis foram encontrados por lavradores em 1971

Bloco de arenito foi enviado quatro anos depois para universidade, mas só em 2011 foi descoberta sua importância para a ciência

Fábio de Castro, O Estado de São Paulo

14 Agosto 2014 | 17h00

CURITIBA - A história da descoberta dos fósseis de pterossauro é extremamente singular. Tudo começou quando um bloco de arenito com alguns dos fósseis foi descoberto em 1971 por dois lavradores - Alexandre Gustavo Dobruski e seu filho, João Gustavo Dobruski - quando escavavam valetas para escoamento das águas em uma estrada rural. Em 1975, imaginando que se tratava de fósseis, enviaram amostras para análise na Universidade Federal de Ponta Grossa (UFPG), no Paraná.

Os fósseis ficaram várias décadas guardados cuidadosamente na UFPG. Em 2011, Paulo César Manzig, professor do Centro de Paleontologia (Cenpaleo) da Universidade do Contestado em Mafra (SC) e autor principal do estudo que descreve a descoberta, passou por lá para fotografar materiais para seu livro de divulgação científica Museus e Fósseis da Região Sul do Brasil, feito em coautoria com Luiz Weinschütz, coordenador das pesquisas no Cenpaleo. 

"Não sou especialista em pterossauros, mas graças a um livro escrito pelo professor Kellner (Alexander Kellner, do Museu Nacional, um dos autores do estudo), também de divulgação científica - Pterossauros - Os Senhores do Céu do Brasil -, identifiquei na hora que se tratava desse tipo de animal", disse Manzig.

"Quando o professor Manzig me avisou sobre a descoberta, a princípio fiquei cético. Não havia pterossauros descritos fora do Nordeste. Ele me enviou a foto da amostra por e-mail e eu levei menos de um minuto para me convencer. Fiquei até nervoso. Eram ossos de um filhote de pterossauro", contou Kellner.

Mas como saber de onde viera o fóssil encontrado na UFPG? Só havia uma pista: o professor Luiz Carlos Godoy, da UFPG, havia contado que a espécie fora levada há muitos anos por alguém de Cruzeiro do Oeste. 

Uma coincidência acabou sendo decisiva para o estudo: ao buscar informações na prefeitura da cidade, Manzig encontrou o funcionário da prefeitura, João Dobruski, que havia descoberto o bloco de arenito com seu pai. O novo animal recebeu o nome de Caiuajara dobruskii em homenagem aos descobridores e ao ancestral deserto Caiuá, que existia no Cretáceo.

"A história dessa descoberta é uma prova da importância da divulgação científica. Esperamos que com a repercussão na imprensa apareçam muitos outros Dobruskis", disse Manzig. 

Imediatamente após o contato com Dobruski, os cientistas iniciaram os preparativos para a pesquisa, ainda em 2011, com a descrição do perfil estratigráfico do local do sítio fossilífero. A Universidade do Contestado fez convênios com a prefeitura de Cruzeiro do Oeste e o Museu Nacional da UFRJ. Em julho de 2012 iniciaram-se as escavações.

Mais conteúdo sobre:
Pterossauro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.