Rússia estuda implantação de 1ª usina nuclear flutuante

Reator seria construido às margens do Mar Branco e abasteceria regiões árticas

Efe, Efe

24 Agosto 2010 | 09h14

MOSCOU - A região de Tchukotka, no extremo oriente da Rússia, estuda a construção da primeira usina nuclear flutuante do mundo para solucionar seus problemas de provisão de energia.

 

O Governo local informou que as autoridades do município de Chaunsk avaliam o impacto que a central teria no ambiente natural da região, segundo a agência "Interfax".

 

As autoridades decidiram consultar a população local e organizaram uma exposição na biblioteca municipal sobre o projeto.

 

A central flutuante, que seria instalada na localidade de Pevek e equipada com dois reatores KLT-40C, tem construção prevista nos estaleiros de Severodvinsk, às margens do Mar Branco.

 

Além disso, seria preciso construir em Pevek uma estação de transmissão de eletricidade e energia térmica, e uma instalação hidrotécnica para ligar a central com os centros populacionais e as indústrias da região.

 

A Rússia anunciou que utilizará usinas nucleares flutuantes para abastecer com energia elétrica e calefação as regiões do norte do país, banhadas pelo Oceano Glacial Ártico, o que permitirá economia de carvão e petróleo.

 

O Governo afirma que essas centrais flutuantes não apenas satisfariam as necessidades energéticas da população como também melhorariam sua qualidade de vida, e garantiriam a proteção do entorno, já que não são poluentes.

 

A Rússia estuda exportar no futuro usinas nucleares flutuantes de pequeno tamanho, com potência de 3 megawatts e custo de US$ 20 milhões.

 

Vários países mostraram interesse em adquirir estas usinas, entre eles o Brasil. China, Coreia do Sul, Japão, Índia, Chile, Indonésia, Tailândia e Malásia também são potenciais compradores.

 

No entanto, o Greenpeace advertiu que essas plantas se tornarão alvo prioritário dos terroristas internacionais.

Mais conteúdo sobre:
Rússia usina nuclear Mar Branco energia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.