Site faz radiografia do meio ambiente e da vida na cidade de São Paulo

Com vídeos, entrevistas e histórias humanas, '!sso não é normal' analisa a relação do paulistano com a cidade

16 Junho 2010 | 13h53

Um dos técnicos responsáveis por retirar órgãos de cadáveres para autópsia, no Serviço de Verificação de Óbitos do Hospital das Clínicas da capital paulista, não é mais capaz de distinguir, apenas pelo aspecto, o pulmão de um fumante do de um não fumante. “Antigamente você abria o caso e olhava o pulmão. Se estava escurecido, a gente já classificava aquela pessoa como um fumante. Hoje já fica difícil você classificar se essa pessoa morreu por problemas relacionados ao vício do fumo ou da poluição”, diz João Teixeira.

 

A entrevista completa de Teixeira, e muitas outras informações sobre o meio ambiente em que os paulistanos vivem, e como os paulistanos vivem nele - incluindo mapas, vídeos e depoimentos de moradores e especialistas - estão no site !sso não é normal SP, desenvolvido pela Webcitizen e pela Cia da Foto, com apoio da Embaixada Britânica, e abrigado, a partir de hoje,  no Estadão.com.br.

 

Veja também:

especial!sso não é normal

link SP ficará 3°C mais quente neste século

 

O site se define como "uma tentativa de discutir como poderíamos mudar o modelo urbano de São Paulo", para fazer frente às mudanças climáticas e melhorar a vida na cidade.

 

"O Webcitizen é uma empresa que busca estimular o engajamento ativo da cidadania por meio da internet", diz o jornalista Denis Burgierman, diretor de informação da companhia e editor-chefe do projeto. "Sentimos na pele os efeitos das mudanças do clima em São Paulo", diz ele, lembrando a recente onda  de enchentes que atingiu a cidade.

 

"As mudanças climáticas que mais afetam a cidade são locais", acrescenta Burgierman, lembrando questões como a poluição do ar e a impermeabilização do solo. "Mas, para se preparar para as mudanças globais, o receituário é o mesmo de lidar com as locais".

 

O !sso não é normal SP apresenta tanto dados brutos - por exemplo, quantas toneladas de dióxido de carbono são emitidas para que o conteúdo de um prato feito de botequim saia do campo e chegue à mesa do paulistano - quanto histórias humanas, como o depoimento do técnico Teixeira ou um vídeo com histórias de motoristas e passageiros que passam boa parte do dia presos no trânsito.

 

Também é possível comparar mapas da cidade do início do século passado e de hoje, e ver quantos rios e cursos d'água foram aterrados para dar lugar a ruas e avenidas - que hoje, alagam.

 

"Queremos causar debates com a sociedade e influenciar futuras políticas públicas", diz Burgierman. "Não vamos mudar o plano de governo de ninguém para a próxima eleição, mas é uma semente".

 

Depois dos dois meses investidos na criação do site sobre a cidade de São Paulo, o !sso não é normal elabora trabalhos sobre as regiões Sul e Nordeste do Brasil. "No Sul, porque lá tem coisas importantes, como o furacão que tiveram há alguns anos, e a forma como a mudança climática está afetando a agricultura", explica o editor-chefe.

 

"E o Nordeste, porque é o caso mais dramático" de impacto da mudança climática em uma população já vulnerável e empobrecida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.