AP
AP

Tesouro recém-descoberto pode revolucionar história medieval

Descobridor, um desempregado, poderá ficar com 50% da venda dos artefatos a um museu interessado

Associated Press,

24 Setembro 2009 | 19h00

Trata-se de uma descoberta sem precedentes, que poderá revolucionar o pensamento acerca dos governantes germânicos da Inglaterra medieval. Um caçador de tesouros amador, trabalhando com um detector de metais numa fazenda, encontrou uma enorme coleção de artefatos de ouro e prata dos anglo-saxões.

 

Descoberta lançará nova luz sobre a Idade das Trevas britânica

Amador encontra maior tesouro anglo-saxão da Grã-Bretanha

Britânico desenterra tesouro romano de 2 mil anos

 

A descoberta causou um surto de entusiasmo na comunidade arqueológica britânica, que disse, nesta quinta-feira, 24, que o tesouro oferece um novo olhar sobre o mundo dos anglo-saxões, que governaram a Inglaterra entre a queda do Império Romano e a invasão normanda de 1066.

 

"É uma descoberta fantástica e que caiu do céu", disse o administrador da escavação, Roger Bland. "Vai nos fazer repensar a Idade Média".

 

O tesouro inclui elmos com adornos intricados, como cristas entalhadas com animais correndo, espadas enfeitadas e uma peça de jogo de damas incrustada com ouro. Um bracelete de ouro traz uma inscrição em latim pedindo a Deus que afaste os inimigos do usuário.

 

Os anglo-saxões eram um grupo de tribos germânicas que invadiu a Inglaterra em meio ao colapso de Roma. Seus artesãos criaram objetos notáveis, e sua língua, o velho inglês, é uma precursora do inglês atual.

 

O tesouro foi descoberto onde antigamente ficava Mércia, um dos cinco grandes reinos anglo-saxões, e deve datar de entre 675 e 725.

 

Para Terry Herbert, o desempregado que fez a descoberta na fazenda de um amigo, o ocorrido foi "mais divertido que ganhar na loteria".

 

O homem de 55 anos passou cinco dias explorando o campo sozinho antes de se dar conta de que precisaria de ajuda e chamar as autoridades. Arqueólogos profissionais assumiram a partir daí.

 

Só o ouro encontrado pesa 5 quilos, e indica que a Inglaterra medieval era mais rica do que se imaginava, disse Leslie Webster, ex-curadora de arqueologia anglo-saxã do Museu Britânico.

 

Ela disse que cruzes e outros artefatos religiosos misturados com o material militar podem lançar nova luz sobre a relação entre cristianismo e os belicosos anglo-saxões. Uma grande cruz pode ter sido levada aos campos de batalha.

 

O achado foi declarado oficialmente um "tesouro" por peritos nesta quinta-feira, o que significa que será avaliado por especialistas e oferecido a museus que se interessem em comprá-lo. O dinheiro da venda será dividido entre Herbert e o dono da fazenda.

 

Bland não ofereceu um valor para o achado, mas disse que os dois podem estar a caminho de receber "uma soma de sete dígitos".

 

Kevin Leahy, o arqueólogo que catalogou o achado, disse que o conjunto inclui dezenas de coberturas de pomo - elementos decorativos que se prendiam ao cabo da espada - e parece composto do saque que se segue a uma batalha. Beowulf, o poema épico anglo-saxão, descreve guerreiros retirando os adornos do pomo das espadas dos inimigos, como souvenirs.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.