Jennifer R. Keeffe, Anthony P. West, Jr. e Pamela J. Bjorkman
Jennifer R. Keeffe, Anthony P. West, Jr. e Pamela J. Bjorkman

Universidade dos EUA descobre anticorpo que pode virar vacina de zika

Batizado de Z004, achado foi retirado de amostras de sangue coletadas de 400 pessoas no Brasil e no México; em ratos, desenvolveu proteção contra infecção

O Estado de S.Paulo

05 Maio 2017 | 13h24

NOVA YORK - Uma equipe de pesquisadores da Universidade Rockefeller de Nova York, nos Estados Unidos, afirmou ter identificado uma possível forma de lutar contra o vírus da zika, o que pode resultar no desenvolvimento de uma vacina contra a doença.

A instituição indicou em um artigo publicado em seu site que os cientistas encontraram em amostras de sangue coletadas de pessoas do México e do Brasil anticorpos em formas de proteínas produzidas pelo sistema imunológico que previnem que o vírus se desenvolva.

Esses anticorpos, segundo a pesquisa, teriam sido gerados inicialmente em uma resposta a uma infecção anterior do vírus, indica o texto.

"Em futuro próximo, esses anticorpos poderiam ser muito úteis. Poderíamos, por exemplo, administrá-los de forma segura para prevenir o zika em mulheres grávidas ou em outras pessoas sob risco de contrair a doença", explicou o pesquisador Davide Robbiani.

Além disso, a equipe de cientistas descobriu que os anticorpos podem ser usados na produção de uma vacina.

Os pesquisadores da Universidade Rockefeller tiveram acesso a amostras de sangue de mais de 400 pessoas através de colaboradores no Brasil e no México.

Uma análise profunda mostrou que cinco delas continham anticorpos praticamente idênticos e que sugeriram que essas moléculas eram especialmente efetivas na luta contra o vírus da zika.

Os anticorpos, batizados como Z004, foram inseridos em ratos de laboratório, que desenvolveram uma proteção contra uma infecção séria da doença. Eles também pareceram ser efetivos na luta contra a dengue, um vírus muito parecido com o da zika e transmitido pelo mesmo mosquito, o Aedes aegypti. /EFE

Mais conteúdo sobre:
NOVA YORK Estados Unidos México Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.