Vaticano inicia oficialmente preparativos para o conclave

Reuniões buscam definir data do conclave e o perfil ideal do novo papa para liderar a Igreja num momento de crise

Reuters

04 Março 2013 | 10h35

PULLELLA - Cardeais católicos se apresentaram nesta segunda-feira, 4, no Vaticano para as reuniões preliminares que buscam definir o perfil ideal do novo papa para liderar a Igreja num momento de crise.

Eles chegaram em carros particulares, táxis e micro-ônibus, no primeiro dia das chamadas congregações gerais, reuniões a portas fechadas em que muitos cardeais terão a oportunidade de se conhecer pessoalmente.

Nessas reuniões será marcada a data de início do conclave -- reunião, também secreta, em que cardeais com até 80 anos escolherão um novo papa para substituir Bento 16, que renunciou em fevereiro.

Aparentemente, a intenção do Vaticano é concluir a eleição já na semana que vem, para que o novo papa possa tomar posse antes do Domingo de Ramos, em 24 de março, comandando assim as celebrações da Semana Santa e Páscoa.

As discussões das congregações gerais deverão ser dominadas por questões delicadas, como a crise decorrente dos abusos sexuais cometidos por clérigos e o escândalo do "Vatileaks", do ano passado, quando vieram à tona casos de corrupção e rivalidades internas na Cúria Romana (a burocracia vaticana).

"Precisamos de um homem de governança, e com isso quero dizer um homem que seja capaz (...) de governar a Igreja", disse o cardeal Cormac Murphy-O'Connor, arcebispo emérito de Westminster (Londres), à rádio BBC.

O novo pontífice, acrescentou, precisará ser alguém capaz de "enfrentar fortemente" as crises na Igreja.

Cerca de 150 cardeais devem participar de uma ou duas reuniões por dia. O Vaticano parece interessado em limitar as discussões preliminares a uma só semana, de modo que os 115 cardeais eleitores possam entrar na semana que vem no conclave da Capela Sistina. A data exata ainda não foi definida.

"Temos reuniões nesta semana toda para nos conhecermos melhor e considerarmos as situações que enfrentamos", disse o cardeal André Vingt-Trois, de Paris, ao entrar.

Durante as congregações gerais, os cardeais provavelmente receberão informações sobre um relatório preparado por três colegas seus para Bento 16 a respeito dos problemas envolvidos no "Vatileaks".

Outro tema que ronda as discussões são os abusos sexuais cometidos por clérigos contra menores, e aparentes esforços de bispos e arcebispos para acobertar esses crimes. Na semana passada, o cardeal Keith O'Brien renunciou ao cargo de arcebispo de Edimburgo e decidiu não participar do conclave, por ser acusado de ter se comportado inadequadamente com padres e seminaristas no passado.

As reuniões preliminares representam também uma chance para que os cardeais avaliem potenciais candidatos, observando-os nos debates e consultando discretamente outros cardeais sobre suas qualificações e eventuais senões.

Os cardeais jamais revelam publicamente suas preferências, mas dão dicas veladas, ao citarem o perfil ideal do novo pontífice. A característica mais citada até agora tem sido a capacidade de comunicar a fé católica de maneira convincente.

A maioria dos cardeais diz que o novo papa pode ser de fora da Europa, mas não está claro se o conclave, com uma ligeira maioria de cardeais europeus, romperá a tradição de eleger apenas pontífices do Velho Mundo.

Não existe um favorito óbvio, mas os principais candidatos incluem Peter Turkson (Gana), Leonardo Sandri (Argentina), Christoph Schoenborn (Áustria), Odilo Scherer (Brasil), Marc Ouellet (Canadá) e Angelo Scola (Itália). Colaboraram Tom Heneghan e Cristiano Corvino, em Roma, e Michael Holden, em Londres.

Mais conteúdo sobre:
papa novo papa conclave Bento XVI renúncia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.