Que tal sobrevoar Marte?

Estadão

08 Novembro 2010 | 17h33

A sonda MRO, da Nasa, está em órbita de marte desde 2006. Além de funcionar como retransmissora de dados para os robôs que trabalham na superfície do planeta vermelho, a MRO é o lar da HiRise — sigla em inglês para Experimento Científico de Imagens de Alta Resolução.

A HiRise já mandou para a Terra algumas paisagens marcianas de tirar o fôlego (por exemplo, esta superfície próxima ao polo norte):

Com a tecnologia digital, é possível colorir as imagens, gerando uma visão muito próxima do que um olho humano encontraria ao sobrevoar o planeta — como no caso dessas depressões que parecem fluir da região mais elevada à esquerda:

Mas a utilidade dos processos digitais não para na colorização. As imagens podem ser usadas  para criar os chamados modelos digitais de terreno, DTMs, feitos a partir de pares de fotos de uma mesma área — o que traz um efeito tridimensional — associados aos dados do altímetro laser da MRO. 

O resultado codifica muita informação sobre a superfície, e geralmente é usado para a análise de processos geológicos e de detalhes da topografia. Segundo a Nasa,  praticamente todos os DTMs já levaram à elaboração de artigos científicos publicados.

Um exemplo de DTM é a imagem abaixo — as cores representam variações na altura do terreno, com depressões em tons frios e elevações em coloração quente:

Além de alimentar a literatura científica, os DTMs também podem ser bem divertidos. São a base de uma série de animações que simulam sobrevoos, em primeira pessoa, de pontos marcantes da paisagem  marciana. Há várias disponíveis no canal Mars3DdotCom do YouTube. Uma das mais recentes é a que você vê aqui: