Antigo assentamento viking é encontrado a 70 quilômetros de Dublin

Os vikings, famosos guerreiros escandinavos, começaram invadindo a Irlanda em 795 e pilharam durante décadas.

taniager

22 Setembro 2010 | 16h56

Valas perto da aldeia irlandesa de Annagassan podem ser restos de uma cidade de construção naval Viking. Crédito: cortesia da equipe de escavação de Mark Clinton.

Valas perto da aldeia irlandesa de Annagassan podem ser restos de uma cidade de construção naval Viking. Crédito: cortesia da equipe de escavação de Mark Clinton.

Os vikings, famosos guerreiros escandinavos, começaram invadindo a Irlanda em 795 e pilharam durante décadas, antes de estabelecer dois postos em solo irlandes, segundo os Anais de Ulster em uma interpretação do século XV da Irlanda medieval. Um em Dúbh Linn transformou-se na Dublin de hoje, o outro, de Linn Duchaill, foi perdido no tempo. Mas agora, uma equipe de escavadores anunciou na sexta-feira que encontrou o assentamento viking perdido perto da aldeia de Annagassan, 70 quilômetros ao norte de Dublin. 

A procura pelo posto de Linn Duchaill começou há cinco anos quando  Ruth Cassidy, cineasta local e membro da Sociedade Histórica do Distrito de Annagassan, juntou-se à equipe de busca do arqueólogo independente e líder da equipe de escavação Mark Clinton  para encontrar a cidade viking perdida. 

Eles pesquisaram durante os anos de 2005, 2006 e 2007 e já estavam em ponto de desespero quando se deparam com uma área plana – ideal para içamento de barcos para fora da água e para a construção e reparação naval – a um par de quilômetros até o Rio Glyde. Com um financiamento conseguido, eles contrataram o geofísico John Nicholls para pesquisar o sítio. 

Nicholls encontrou uma série de valas defensivas a cerca de 4 metros de profundidade, dispostas em linhas. O padrão das valas não parece compatível com a estrutura irlandesa típica do período, – a um forte em anel – e nenhuma evidência de um assentamento de Normandos, como restos de fossos ou ruínas de castelo, foi encontrada. Restou então outra opção: vikings. 

Os 200 objetos encontrados em três semanas e provas da engenharia impressionante, como uma ilha artificial construída fora da paisagem para oferecer proteção contra ataques dos irlandeses nativos, evidenciaram que se tratava de uma grande cidade de construção naval viking. 

Há evidências de carpintaria, fundição e reparação naval, com rebites de navio pontilhadas ao redor do local. Estes recursos são significativos em fortes vikings – ou assentamentos de construção naval – escavados. A equipe também encontrou moedas cortadas que, segundo Clinton, eram um típico “cartão de chamada” dos vikings. E não há qualquer evidência de cerâmica – os vikings utilizavam tigelas de madeira. Os escavadores encontraram também objetos de antigos cristãos de “alto status”, provavelmente roubados dos irlandeses. 

Outros especialistas em cultura viking estão otimistas com o achado, embora mais cautelosos. Eles enfatizam a necessidade de datação dos objetos para confirmação de que o assentamento é, de fato, Linn Duchaill.