Astrônomos descobrem planeta que pode conter água líquida na superfície

Ambiente perfeito para a vida: temperatura na superfície pode ser igual a da Terra, além de poder ter gravidade suficiente para "segurar" atmosfera.

root

30 Setembro 2010 | 10h01

Concepção artística mostra os quatro planetas internos do sistema Gliese 581 e sua estrela-mãe. Crédito: Universidade do Havaí em Manoa.

Concepção artística mostra os quatro planetas internos do sistema Gliese 581 e sua estrela-mãe. Crédito: Universidade do Havaí em Manoa.

Uma equipe de astrônomos anunciou a descoberta de um planeta que pode conter água em sua superfície. O planeta, que é provavelmente 30% maior do que a Terra, foi identificado  com a ajuda de um telescópio do Observatório W. M. Keck, no Havaí. Ele orbita uma estrela relativamente pequena, a Gliese 581, que está localizada a 20 anos-luz do nosso planeta na constelação de Libra.

“Ao determinar a órbita deste planeta, podemos deduzir que sua temperatura de superfície é similar a da Terra”, diz Nader Haghighipour, da Universidade do Havaí. Isso significa que em alguma parte a água da superfície do planeta e atmosfera estará em estado líquido. A descoberta de água líquida no espaço é um passo significativo na busca por vida extraterrestre.

Os pesquisadores estimam que o novo planeta, chamado Gliese 581g, tem uma massa até quatro vezes maior do que a de nosso planeta. Além disso, orbita sua estrela em 37 dias terrestres. Sua massa indica que se trata provavelmente de um planeta rochoso com gravidade suficiente para “segurar” sua atmosfera.

Para descobrir o planeta, a equipe procurou pequenas mudanças na velocidade das estrelas que surgem a partir da força gravitacional de seus planetas. Os pesquisadores usaram 238 observações separadas da Gliese 581 tomadas em 11 anos.

O time que fez a descoberta é liderada por Steven Vogt, da Universidade da Califórnia, Santa Cruz (UCSC) e Paul Butler, da Carnegie Institution de Washington. Outros membros da equipe incluem Eugenio Rivera, Gregory Henry e Michael Williamson da Universidade Estadual do Tennessee.