Detectado primeiro exoplaneta orbitando estrela em outra galáxia

O exoplaneta HIP 13044 b e sua estrela hospedeira parecem ter se originado em uma galáxia anã que foi engolida pela Via Láctea.

taniager

19 de novembro de 2010 | 14h12

Impressão artística do exoplaneta HIP 13044b de outra galáxia (à direita) e sua estrela (à esquerda. Crédito: ESO / l. Calçada.

Impressão artística do exoplaneta HIP 13044b de outra galáxia (à direita) e sua estrela (à esquerda. Crédito: ESO / l. Calçada.

Astrônomos identificaram o primeiro exoplaneta orbitando uma gigante vermelha em outra galáxia. A estrela hospedeira pertence a uma galáxia anã que foi engolida por nossa galáxia há bilhões de anos atrás e está no fim de sua vida.  O planeta parecido com Júpiter pode ter sobrevivido à fase de “gigante vermelha” da estrela, a qual oferece um cenário do possível destino do nosso sistema solar no futuro. Os resultados foram publicados ontem no Science Express.

O planeta HIP 13044 b tem uma massa mínima de 1,25 vezes a massa de Júpiter. O sistema de estrelas está localizado cerca de 2000 anos-luz da Terra na posição austral da constelação Fornax (“forno químico”).

O exoplaneta e sua estrela hospedeira parecem ter se originado em uma galáxia anã que foi engolida pela Via Láctea entre seis e nove bilhões de anos atrás. Tal canibalismo galáctico é uma ocorrência comum na evolução de galáxias. Normalmente, restos das galáxias anãs engolidas podem ser detectados em arranjos em forma de fitas de estrelas conhecidos como “fluxos estelares”. Neste caso, o HIP 13044 faz parte do chamado “fluxo Helmi”.

O fato intrigante é o planeta ter sobrevivido à fase de transformação da estrela, na qual ela se esfria e em seguida se expande para um tamanho de centenas de vezes o raio do Sol. Estabelecida agora em uma fase calma, está sendo alimentada por fusão nuclear de hélio que deverá durar alguns milhões de anos. A fase de transformação da estrela espelha o destino de nosso Sol daqui a cinco bilhões de anos.

A equipe de Johny Setiawan do Instituto Max Planck, Alemanha, supõe que a distância entre o HIP 13044 e sua estrela (12% da distância entre a Terra e o Sol) tenha sido maior, antes de o planeta migrar para uma órbita mais próxima durante a fase de transformação da estrela em gigante vermelha. Existem evidências de que planetas na mesma situação não sobreviveram. Como este conseguiu?

A rotação relativamente rápida da gigante vermelha HIP 13044 sugere que ela tenha engolido planetas mais próximos na fase de transformação. E uma nova fase provavelmente irá engolir o planeta.

Outra questão que intriga é a estrela parecer possuir poucos elementos mais pesados que hidrogênio e hélio (ela é extremamente pobre de metais). Outros sistemas planetários possuem estrelas com mais elementos pesados. Este fato é um quebra-cabeça para a concepção da formação de planetas largamente difundida, na qual as estrelas são pensadas possuírem uma grande quantidade de elementos pesados.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.