CNRS comprova teoria sobre variação da velocidade da luz

A luz não se propaga com a mesma velocidade em todas as direções, sob o efeito de um campo eletromagnético.

taniager

12 de maio de 2011 | 16h41

Cavidade óptica utilizada na experiência. Crédito: Cécile Robilliard / CNRS.

Cavidade óptica utilizada na experiência. Crédito: Cécile Robilliard / CNRS.

A luz não se propaga com a mesma velocidade em todas as direções, sob o efeito de um campo eletromagnético. Este efeito contra intuitivo, mas previsto pela teoria, foi verificado experimentalmente pela primeira em um gás por uma equipe do laboratório “Collisions agrégats réactivité” (CNRS / Universidade Paul Sabatier). Os pesquisadores mediram com extrema precisão – da ordem de um bilionésimo de metros por segundo – o gap entre as velocidades de propagação da luz em uma direção e na direção inversa. Os resultados abrem o caminho para pesquisas mais aprofundadas visando melhorar o modelo que descreve as interações entre partículas elementares. O artigo do estudo, publicado na revista Physical Review Letters recentemente, permite divisar as aplicações inéditas em óptica.

No vácuo absoluto, a luz se propaga a uma velocidade constante igual a 299.792.458 m/s. O fato de se mover a uma mesma velocidade em todas as direções pode parecer natural, mas existem casos em que essa propriedade não é observada, principalmente quando um campo elétrico e um campo magnético são aplicados. Esses casos são previstos pela teoria desde o final dos anos 70 e deveriam ser observados no vácuo. Mas estas variações muito pequenas são difíceis de serem verificadas experimentalmente.

Hoje, os avanços na tecnologia permitem detectar estes efeitos em um gás – no caso, o azoto. Para observar, os pesquisadores desenvolveram uma cavidade óptica que é um dispositivo onde certos raios luminosos ficam confinados graças aos espelhos sobre os quais são refletidos. Nesta cavidade, os feixes de luz cruzam um dispositivo com ímãs e eletrodos que permitem gerar campos elétrico e magnético intensos – 20 mil vezes maiores que o da Terra.

Ao utilizar esta tecnologia, os pesquisadores conseguiram mostrar experimentalmente pela primeira vez que a luz não se propaga na mesma velocidade quando se dirige em uma direção ou em direção contrária dentro de um gás onde um campo eletromagnético foi aplicado.  A diferença de velocidade máxima medida foi cerca de um bilionésimo de metro por segundo. Este gap ínfimo, predito pela teoria, foi causado pelos campos elétrico e magnético.

Os resultados do experimento abrem novas perspectivas, como possibilitar a medição da anisotropia da propagação luminosa, observar a invariância de Lorentz e testar certas proposições teóricas para melhorar o modelo que descreve o conjunto de interações entre partículas elementares. Também, certa anisotropia direcional regida por um campo eletromagnético poderia permitir aplicações inéditas em óptica.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: