Cobre é indicado na prevenção da "doença do pepino"

OMS alerta para o surto da Síndrome Hemolítico-Urêmica e pesquisadores sugerem medidas para conter propagação.

taniager

02 Junho 2011 | 20h52

Colônia de E. coli. Crédito: USDA.

Colônia de E. coli. Crédito: USDA.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou hoje informações sobre o surto da Síndrome  Hemolítico-Urêmica (HUS) – conhecida como a “doença do pepino” após ser associada ao consumo de vegetais crus infectados pela bactéria Enterohemorrhagic E. coli (EHEC). Segundo o relatório, os casos continuam a aumentar na Alemanha e já foram encontrados em dez países: Áustria (nenhum caso de HUS, mas 2 de EHEC), Dinamarca (7, 7), França, (0, 6), Países Baixos (4, 4), Noruega (0, 1), Espanha (1, 0), Suécia (15, 28), Suíça (0, 2) e Reino Unido (2, 1). Todos os casos, exceto dois, são de pessoas que visitaram recentemente o norte da Alemanha e em apenas um dos casos a pessoa teve contato com visitantes desta região.

Numerosas investigações prosseguem em busca da causa do foco, que ainda não está claro. A OMS sugere que o surto de bactéria E. coli na Alemanha é uma cepa  – O104:H4 – nunca vista antes em um surto epidêmico. Na tentativa de ajudar a impedir a proliferação, cientistas da Universidade de Southampton no Reino Unido estão indicando o uso do cobre como medida de prevenção da propagação destas infecções.

Bill Keevil, chefe do grupo de microbiologia e diretor da Unidade de Cuidados de Saúde Ambiental da referida universidade, relata que um estudo sobre a eficácia do cobre contra novas cepas de E. coli acaba de ser concluído. Embora não tenha focado especificamente a O104, o estudo mostra que todas as cepas investigadas morreram rapidamente em contato com o cobre.

Os pesquisadores observaram que as 10 milhões de bactérias colocadas sobre uma superfície seca de cobre foram eliminadas em 10 minutos. Numa superfície molhada de cobre, se poderia esperar uma mortalidade total por volta de 45 minutos. Esta propriedade antimicrobiana é inerente ao metal e é compartilhada com ligas como as de latão e bronze.

Além de destacarem os cuidados com a higiene das mãos e a preparação cuidadosa dos alimentos, os pesquisadores informam que o alimento cru contaminado e colocado sobre uma superfície de trabalho pode contaminar outros alimentos. A superfície é a ponte de transferência das bactérias para novos itens colocados lá em seguida. Revestir com cobre as áreas de preparação da comida é uma maneira eficaz de reduzir o risco de contaminação por qualquer patógeno e meio de prevenção contra a propagação da infecção.

Veja também:

Estudo avalia causa do surto recente da “doença do pepino”