Descoberta de nova forma de invasão da malária sugere vacina eficiente

Anualmente mais de 400 milhões de pessoas contraem a malária, e mais de um milhão morrem devido à doença.

taniager

24 de setembro de 2010 | 12h57

Professor Alan Cowman, líder da equipe responsável pela descoberta. Crédito: cortesia do Institue of Medical Research Walter + Eliza Hall.

Professor Alan Cowman, líder da equipe responsável pela descoberta. Crédito: cortesia do Institue of Medical Research Walter + Eliza Hall.

Um novo caminho usado pelo parasita da malária para invadir as células vermelhas do sangue foi identificado por pesquisadores do Instituto The Walter and Eliza Hall. A descoberta é mais um passo adiante para o desenvolvimento de uma vacina eficiente contra a infecção da doença mortal.

Anualmente mais de 400 milhões de pessoas contraem a malária, e mais de um milhão, principalmente crianças, morrem devido à doença. A forma mais letal de malária é causada pelo parasita Plasmodium falciparum. Parte do sucesso do parasita reside na sua capacidade de encontrar várias maneiras de invadir células vermelhas do sangue, processo essencial para a sobrevivência do parasita dentro do hospedeiro humano. 

O líder da equipe de pesquisadores Alan Cowman explica que o parasita está sempre inovando os caminhos de entrada para driblar a defesa do corpo humano. O Plasmodium falciparum “é como um ladrão mestre – ele tentará uma variedade de métodos diferentes para entrar na casa e não apenas pela porta da frente”.   

O novo estudo mostrou que nem sempre o parasita utiliza as proteínas glicoforinas como meio para entrar nos glóbulos vermelhos. Outro caminho envolve a família PfRh4 de proteínas de superfície para a reconhecimento de células receptoras de complemento “1” do sangue vermelho (CR1). 

“O percurso PfRh4-CR1 é um dos mais importantes padrões de caminhos já identificados de entrada dos parasitas da malária em células,” disse  professor Cowman. “Estamos agora na fase onde podemos ter identificado a melhor combinação de proteínas para uma vacina e está pronto para iniciar o desenvolvimento clínico.” 

Os pesquisadores argumentam que há uma diminuição de 90 % de infecção destas células pelo parasita quando os caminhos padrões de entrada, que envolvem a glicoforina e os CR1, são bloqueados.

Os resultados do estudo sugerem que existe uma boa chance de reduzir significativamente a infecção da malária se uma vacina estimular o sistema imunológico a reconhecer e gerar anticorpos para os caminhos de invasão predominantes.

Veja também:
Desvendado mecanismo que protege “sem-teto” da toxoplasmose
Casos de malária podem ser reduzidos mesmo com aquecimento global
Marcadores podem indicar evolução da doença de Chagas no coração

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.