Descoberto o mais rico sistema planetário até hoje detectado

Astrônomos da Agência espacial Europeia estudam complexo com até sete planetas maciços que orbitam estrela semelhante ao Sol.

root

24 de agosto de 2010 | 10h56

Concepção artística mostra sistema planetário em torno da estrela semelhante ao Sol HD 10180. Crédito: ESO.

Concepção artística mostra sistema planetário em torno da estrela semelhante ao Sol HD 10180. Crédito: ESO.

Astrônomos da Agência Espacial Europeia descobriram um sistema planetário com pelo menos cinco planetas orbitando uma estrela semelhante ao Sol, chamada de HD 10180. Há evidências de que o conjunto abrigue mais planetas – um dos quais com a menor massa já vista. A descoberta impressiona, porque o achado pode corresponder ao nosso Sistema Solar em termos de número de planetas, além da distância entre eles e a sua estrela seguir um padrão regular.

“Esta notável descoberta também destaca o fato de que agora estamos entrando em uma nova era de investigação de exoplanetas: o estudo de complexos sistemas planetários e não apenas planetas individuais”, ressalta Christophe Lovis, autor do artigo apresentando o resultado. “Estudos dos movimentos aleatórios planetários no novo sistema revelam complexas interações gravitacionais entre os planetas e nos dá insights sobre a evolução em longo prazo do sistema”.

Imagem, criada a partir de fotografias tiradas através de filtros vermelhos e azuis do Digitized Sky Survey 2, mostra o céu em torno da estrela HD 10180. Halos laranja e azul ao redor da estrela e os oito pontos de luz são artefatos do processo de imagem e não são reais. Crédito: ESO E Digitized Sky Survey 2.

Imagem, criada a partir de fotografias tiradas através de filtros vermelhos e azuis do Digitized Sky Survey 2, mostra o céu em torno da estrela HD 10180. Halos laranja e azul ao redor da estrela e os oito pontos de luz são artefatos do processo de imagem e não são reais. Crédito: ESO E Digitized Sky Survey 2.

Para colher os dados, a equipe utilizou o espectrógrafo HARPS, ligado ao telescópio de 3, 6 metros da ESO em La Silla, no Chile, e um dos mais bem sucedidos equipamentos de detecção de exoplanetas existentes até hoje. O objetivo era estudar a estrela HD 10180, situada a 127 anos-luz da constelação de Hydrus.

Pela análise de 190 medições individuais do HARPS os pesquisadores conseguiram detectar o movimento da estrela, causado pelo complexo gravitacional dos planetas. Os cinco sinais mais fortes correspondem aos planetas com massas semelhantes a Netuno (entre 13 e 25 vezes a massa da Terra), que orbitam o seu sol com períodos que variam entre seis e 600 dias. Eles estão situados entre 0,06 e 1,4 vezes a distância entre a Terra e o Sol.

A equipe acredita que mais dois planetas estejam presentes no sistema – um deles semelhante a Saturno (peso mínimo de 65 massas terrestres) que orbita em 2200 dias. O outro seria o planeta menos massivo até hoje visto, com uma massa de cerca de 1,4 vezes a da Terra.

O sistema planetário descoberto é único em diversos aspectos: tem pelo menos cinco planetas como Netuno, que se encontram a uma distância equivalente à órbita de Marte – sendo mais “povoado” em sua região interior do que no Sistema Solar -; possui muitos planetas maciços, e provavelmente não abriga nenhum planeta gasoso como Júpiter. Todos os planetas parecem ter órbitas quase circulares.

Veja também:

Enorme disco de poeira em torno de órbita de estrelas binárias pode ser resultado de colisões gigantes
Telescópio Hubble ajuda a desvendar mistérios recentes sobre Júpiter
Geofísicos mostram que Terra e Lua são mais novas do que se acreditava
Incrível explosão de raios-x “cega” telescópio espacial
Spitzer pode esclarecer como estrelas binárias são formadas
Estudo de nova classe de supernovas pode explicar cálcio dos ossos

Leia mais sobre: Astronomia.