Equipe faz o "mapa" mais detalhado da matéria escura no universo

Lente cósmica do Hubble permite criar um dos mais detalhados mapas da substância invisível e desconhecida do cosmo.

root

12 Novembro 2010 | 11h57

Este é um dos mapas mais detalhados da matéria escura no universo já criado. A localização da matéria escura (cor azul) foi inferida através da observação de exageradas e distorcidas galáxias distantes captadas por lente gravitacional. Crédito: NASA/JPL-Caltech/ESA/Institute of Astrophysics of Andalusia, University of Basque Country/JHU.

Este é um dos mapas mais detalhados da matéria escura no universo já criado. A localização da matéria escura (cor azul) foi inferida através da observação de exageradas e distorcidas galáxias distantes captadas por lente gravitacional. Crédito: NASA/JPL-Caltech/ESA/Institute of Astrophysics of Andalusia, University of Basque Country/JHU.

Astrônomos que trabalham com o telescópio espacial Hubble, da NASA, aproveitaram uma lente gigante no universo para criar um dos mais bem definidos e detalhados mapas da matéria escura no universo – uma substância invisível e desconhecida que compõe a maior parte da massa do cosmo.

A equipe usou o telescópio para mapear a matéria invisível no aglomerado de galáxias Abell 1689, localizado a 2,2 bilhões de anos-luz da Terra. A gravidade da estrutura, a maior parte proveniente da matéria escura, age como uma lente de aumento cósmica, dobrando-se e ampliando a luz de galáxias distantes que estão atrás. O efeito, conhecido como lente gravitacional, produz imagens múltiplas, deformadas, e muito ampliadas das galáxias – como a vista em um espelho mágico da casa dos horrores. Ao estudar as imagens distorcidas, os astrônomos calculam a quantidade de matéria escura no aglomerado.

A novidade pode dar novos insights sobre o papel da energia escura durante os primeiros anos de formação do universo. Uma propriedade misteriosa do espaço, a energia escura luta contra a atração gravitacional da matéria escura. Os novos resultados sugerem que os aglomerados de galáxia podem ter se formado antes do esperado – antes do impulso de energia escura inibir seu crescimento.

A energia escura é capaz de separar galáxias, esticando o espaço entre elas e suprimindo a formação de estruturas gigantes chamadas aglomerados. Uma forma de sondar este primitivo “cabo de guerra” é mapear a distribuição da matéria escura em aglomerados.