Estudo avalia causa do surto recente da "doença do pepino"

A Síndrome Hemolítico-Urêmica (HUS) causa severas doenças renais e pode ser fatal em pequena parcela da população afetada.

taniager

01 Junho 2011 | 19h11

Sangue de paciente com Síndrome Hemolítica Urêmica (HUS). Crédito: Wikipedia.

Sangue de paciente com Síndrome Hemolítica Urêmica (HUS). Crédito: Wikipedia.

Autoridades europeias da saúde estão em alerta devido à propagação da Síndrome Hemolítico-Urêmica (HUS), em decorrência da contaminação de alimentos por uma variante da bactéria E coli. Na Alemanha, país que concentra a maioria dos casos, foi realizado um estudo recente, conduzido pelo Instituto Robert Koch e autoridades da saúde de Hamburgo na Alemanha, cujos resultados demonstraram que as pessoas afetadas consumiam com maior frequência tomates crus, pepinos e alface.

A Síndrome Hemolítico-Urêmica (HUS) é uma doença que causa anemia, uremia (falha renal aguda) e trombocitopenia (contagem baixa de plaquetas no sangue). E é causada pela intoxicação alimentar por produtos contaminados pela bactéria Enterohemorrhagic Escherichia coli (EHEC). Apesar de acometer principalmente as crianças, não exclui os adultos, e pode levar à morte 5 a 10% dos indivíduos afetados. Felizmente, a grande parcela infectada se recupera sem maiores consequências, embora uma minoria apresente graves sequelas como doenças renais crônicas.

O estudo de caso e controle epidemiológico recente incluiu 25 casos com HUS e 96 de controle, todos de Hamburgo, a partir de 20 de maio de 2011. Os indivíduos foram classificados de acordo com o sexo, a faixa etária e a área de residência. Informações detalhadas sobre alimentos consumidos, hábitos alimentares e outras possíveis fontes de infecção foram comparadas entre os pacientes hospitalizados e indivíduos saudáveis (controles).

Os resultados preliminares do estudo mostram que os pacientes afetados pela atual surto de EHEC consumiam tomates crus, pepinos e alface significativamente mais frequentemente em comparação com os indivíduos saudáveis do grupo de controle. No entanto, permanece incerto se apenas um ou mais destes três produtos hortícolas estão associados com o foco.

A epidemia afetou a parte norte da Alemanha mais severamente, sugerindo que os itens de alimentos contaminados foram distribuídos por lá principalmente. No entanto, como alguns casos de HUS foram relatados em outras partes da Alemanha, estes itens poderiam estar presentes em outras regiões também.

Como o foco ainda está em curso e o impacto na saúde pública é grave, a autoridades alemãs estão recomendando como uma precaução até novo aviso – para complementar as medidas de higiene habituais relativas ao tratamento de frutas e verduras – que a pessoas não comam tomates crus, pepinos e alface, especialmente no norte da Alemanha.

Embora o consumo dos itens alimentares descritos possa explicar a maioria dos casos de HUS, outros itens de alimentos não devem ser excluídos definitivamente da origem da infecção. O estudo foi realizado em Hamburgo, por conseguinte os resultados não podem ser generalizados para outras áreas afetadas na Alemanha.

Veja também:
Século 18 foi marcado por epidemia de tifo trazido por viajantes espanhóis
Casos de malária podem ser reduzidos mesmo com aquecimento global
Consumo de frango pode ter relação com casos de infecção urinária
Bactérias intestinais podem influenciar desenvolvimento cerebral