Fósforo pode NÃO ser condição para a vida

Bactéria pode sobreviver em ambientes repletos de arsênico, dispensando o fósforo considerado essencial para a vida.

root

02 de dezembro de 2010 | 17h30

Mono Lake, na Califórnia, onde foi encontrada bactéria que sobrevive e se alimenta de arsênico. Crédito: NASA.

Mono Lake, na Califórnia, onde foi encontrada bactéria que sobrevive e se alimenta de arsênico. Crédito: NASA.

Após a convocação de uma coletiva da NASA para os jornalistas marcada para hoje, um verdadeiro burburinho tomou conta da internet. Muitos pensavam que a agência espacial europeia fosse anunciar a descoberta de algum tipo de vida extraterrestre, mas a novidade não era exatamente esta: um novo estudo conseguiu mostrar que uma bactéria é capaz de sobreviver em um ambiente repleto de arsênico.

Encontrado nas águas de um lago da Califórnia, nos EUA, o micróbio parece substituir o fósforo pelo arsênico em alguns de seus processos celulares básicos. Isso aponta para a possibilidade de que, em condições extremas – como, por exemplo, em algumas regiões fora do planeta Terra -, a vida poderia se desenvolver de uma maneira diferente do que se supunha até então. Até agora, o conceito de “vida” dependida de elementos como oxigênio, carbono, hidrogênio, nitrogênio, enxofre e fósforo. No caso da bactéria encontrada, experiências demostraram que ela pode sobreviver em um ambiente sem fósforo.

GFAJ-1 cresce e se desenvolve em meio ao tóxico composto. Crédito: Nasa.

GFAJ-1 cresce e se desenvolve em meio ao tóxico composto. Crédito: Nasa.

O íon fosfato desempenha vários papéis essenciais nas células, como manter a estrutura do DNA e RNA e combinar lipídios para formar membranas celulares e auxiliar o processo de transporte de energia dentro da célula, por meio de uma molécula conhecida como adenosina trifosfato (ATP). Entretanto, o estudo conduzido por Felisa Wolfe-Simon, da NASA, mostra que o elemento não é necessariamente uma condição para a vida.

Mais interessante, é que a bactéria não apenas sobrevive em um ambiente repleto de arsênico – um composto extremamente venenoso para outros seres vivos -, como se alimenta dele, literalmente. Apesar de sua toxicidade, pode substituir o fósforo nos trabalhos no interior da célula. Entretanto, os pesquisadores ainda precisam demonstrar a presença do elemento em biomoléculas específicas dentro de células microbianas para provar o fato e não lançar mais nenhuma dúvida. Apenas encontrando estes indícios no DNA que se poderia, finalmente, descartar o fósforo como um elemento essencial à vida.

Caso seja comprovada, a teoria de que o fósforo não é condição para o desenvolvimento da vida, poderia abrir novos caminhos: além de fornecer novos parâmetros para a busca de vida fora da Terra, a descoberta poderia indicar rumos para a limpeza de ambientes contaminados por arsênico – já que pelo menos uma bactéria poderia ser usada para consumir este elemento tóxico. Ademais, até agora somos comprovadamente os únicos no universo.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: