Hubble flagra vista panorâmica detalhada de Centauro A

Câmera de Campo Largo 3 do Hubble centrou-se em regiões empoeiradas, como a grande faixa de matéria escura da galáxia.

taniager

16 Junho 2011 | 13h08

Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA captou uma vista panorâmica em close-up da galáxia Centauro A. A localização fora da Terra do Hubble e da Câmera de Campo Largo 3 permite revelar uma imagem incrível de uma galáxia dinâmica em curso. Crédito: NASA, ESA, e Hubble Heritage (STScI/AURA)-ESA/Hubble Collaboration.
Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA captou uma vista panorâmica em close-up da galáxia Centauro A. A localização fora da Terra do Hubble e da Câmera de Campo Largo 3 permite revelar uma imagem incrível de uma galáxia dinâmica em curso. Crédito: NASA, ESA, e Hubble Heritage (STScI/AURA)-ESA/Hubble Collaboration.

A galáxia Centauro A, também denominada NGC 5128, é conhecida por suas incríveis vias de poeira de matéria escura. As observações do Hubble são as mais detalhadas já tiradas desta galáxia. Foram obtidas com sua mais avançada Câmera de Campo Largo 3 ( WFC3). Elas foram combinadas aqui em uma imagem de múltiplas ondas longas que revela detalhes nunca antes visto na parte empoeirada da galáxia.

Graças aos recursos  em espectro visível, esta combinação mostra a luz ultravioleta das estrelas jovens e a luz de infravermelho. Ela nos permite vislumbrar alguns dos detalhes que estariam encobertos pela poeira caso fossem observados com outros instrumentos.

A faixa de poeira escura que atravessa Centaurus A não mostra uma ausência de estrelas, mas sim uma relativa falta de luz estelar, pois as nuvens opacas impedem que a luz visível nos atinja. A Câmera de Campo Largo 3 do Hubble centrou-se sobre estas regiões empoeiradas, que variam de canto a canto nesta imagem. Vistas mais amplas de telescópios terrestres mostram esta faixa atravessando a galáxia inteira.

Recursos interessantes, como a forma distorcida de seu disco de gás e poeira (fora da imagem) fornece a pista de que em algum momento no passado, a Centaurus A colidiu e fundiu-se com outra galáxia. As ondas de choque deste evento fez com que o gás hidrogênio se misturasse e se espalhasse em áreas de formação estelar intensa, como pode ser visto nas regiões periféricas e nas manchas vermelhas visíveis da imagem.

O núcleo compacto da galáxia contém um buraco negro supermassivo altamente ativo no seu centro. Os poderosos jatos relativísticos lançam grandes quantidades de radiação em rádio e raios-X – embora estes sejam invisíveis aqui, uma vez que os instrumentos do Hubble são projetados para estudar comprimentos de ondas óticos, em ultravioleta e infravermelho.

A pouco mais de 11 milhões de anos luz de distância, a Centaurus A está relativamente perto em termos astronômicos. No entanto, ela não está somente perto, também é brilhante. Isso a torna um alvo muito atraente para astrônomos amadores do Hemisfério Sul, onde é visível. Pode ser vista com binóculos, ao mesmo tempo em que telescópios amadores maiores começam a desvendar as distintivas vias empoeiradas.

No entanto é somente com os recursos do telescópio espacial Hubble que muitas das características nesta imagem tornam-se visíveis, oferecendo inigualável clareza e resolução. A posição do Hubble em órbita permite que ele detecte comprimentos de onda ultravioletas, bloqueados pela atmosfera da Terra e tão invisíveis do chão.

Veja também:
Equipe divulga imagem detalhada de jatos de buraco negro
Astrônomos descobrem explosão de raios-X brilhante na Via Láctea
Braços espiralados assimétricos de galáxia intrigam astrônomos
Tempestades de gás podem interferir em processos galácticos globais
ESO mostra imagem de galáxia desprovida de bojo nuclear
ESO revela paisagem extraordinária da constelação de Monoceros