Medicamentos já existentes podem ajudar a tratar rara doença fatal

Doença de Alexader poderia ser tratada com drogas aprovadas para outros fins e que podem reduzir a expressão gênica de GFAP.

root

19 de julho de 2010 | 14h43

Embora a GFAP seja detectada no sistema nervoso central normal, sua função não é claramente compreendida, mas sabe-se que está associada aos astrócitos – células cerebrais e da medula espinhal em formato de estrela que executam uma série de funções essenciais. Crédito: Wikipedia.

Embora a GFAP seja detectada no sistema nervoso central normal, sua função não é claramente compreendida, mas sabe-se que está associada aos astrócitos – células cerebrais e da medula espinhal em formato de estrela que executam uma série de funções essenciais. Crédito: Wikipedia.

Alguns compostos usados em medicamentos já aprovados podem ser usados para tratar uma desordem neurológica rara e mortal que atinge principalmente bebês e crianças: a doença de Alexander. De acordo com pesquisadores liderados pela Universidade de Wisconsin-Madison, nos EUA, drogas existentes poderiam combater a superprodução de uma proteína que afeta o cérebro e desencadeia o problema.

O novo estudo, realizado nos últimos cinco anos, é promissor porque oferece esperança no alívio de uma doença que, de tão rara (ocorre em menos de 300 pessoas no mundo todo), move poucos estudos. A identificação de medicamentos já existentes que poderiam atuar contra o problema é animador.

“O que estamos esperando é algo que possamos usar para controlar a doença e melhorar a sobrevivência”, ressalta Albee Messing, responsável pela pesquisa. “Há realmente alguns compostos por aí que podem ser eficazes em manipular a expressão gênica no cérebro”.

Doença de Alexander

Descrita pela primeira vez em 1949, a doença de Alexander é causada por mutações em um gene chamado GFAP, que codifica a produção de uma proteína de mesmo nome (proteína glial fibrilar ácida). É caracterizada por convulsões, redução da substância branca cerebral, atrasos no desenvolvimento cognitivo e motoro e alargamento progressivo da cabeça.

Embora a GFAP seja detectada no sistema nervoso central normal, sua função não é claramente compreendida, mas sabe-se que está associada aos astrócitos – células cerebrais e da medula espinhal em formato de estrela que executam uma série de funções essenciais.

Embora o gene tenha sido identificado em 2001 pelo laboratório de Messing, o neurocientista acredita agora que a doença é mais do que a mera produção de uma proteína mutante: “Achamos que a superexpressão de GFAP é uma grande parte da imagem”, explica ele. “Os agregados da proteína afetam uma série de caminhos, e acreditamos que há um limiar tóxico; então, qualquer coisa que você pode fazer para diminuir a produção da proteína seria benéfica”.

A equipe desenvolveu experimentos com modelos animais, testando o efeito de 2880 medicamentos existentes em culturas pura de astrócitos de ratos. Dez drogas se mostraram particularmente eficazes, reduzindo a expressão gênica entre 37 a 86%. Uma das drogas, a climipramina – usada para tratar o transtorno obsessivo-compulsivo em pessoas – foi usada nos camundongos por três semanas, causando uma redução de quase 50% nos níveis de GFAP no cérebro.

Embora os resultados sejam animadores, a equipe adverte que novos estudos com animais devem ser realizados antes que um ensaio clínico com humanos possa ser contemplado.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.