Microanel captura partículas e biomoléculas em chips ópticos

Engenheiros de Harvard conseguiram capturar e prender micropartículas por vários minutos usando um ressonador de silício circular.

taniager

20 de julho de 2010 | 14h38

Ilustração sistemática de uma partícula girando em torno de um ressonador de silício em forma de microanel, impulsionada por forças ópticas. Crédito: cortesia de Universidade de Harvard.

Ilustração sistemática de uma partícula girando em torno de um ressonador de silício em forma de microanel, impulsionada por forças ópticas. Crédito: cortesia de Universidade de Harvard.

Engenheiros da Universidade de Harvard, EUA, conseguiram capturar e prender micropartículas por vários minutos usando um ressonador de silício circular. O feito, divulgado hoje, mostra que é possível dirigir, transportar e armazenar nanopartículas e biomoléculas em todos os chips ópticos.

Capturando a partícula

Kenneth Crozier, professor adjunto da faculdade de Engenharia Elétrica e Ciências Aplicadas (SEAS), explica como é a denominada “armadilha de cavidade ressonante”: uma partícula é guiada ao longo de uma pequena guia de onda e, em seguida, é puxada para dentro de um ressonador de microanel. Uma vez no anel, as forças ópticas a impedem de escapar, fazendo com que ela gire ao seu redor.

Descrevendo o processo

O processo é semelhante ao que se vê nos brinquedos de movimento em líquido, onde gotículas coloridas percorrem trilhas de plástico, mas em escala muito menor e com diferentes mecanismos físicos. Os anéis têm um raio de meros 5 a 10 micrômetros e são construídos utilizando litografia por feixe de elétrons e estampa de íons reativos. 

Micrográfico de escâner eletrônico (SEM) do ressonador de silício em forma de microanel (5 mícrons de raio) acoplado à guia de onde. Crédito: cortesia de Universidade de Harvard.

Micrográfico de escâner eletrônico (SEM) do ressonador de silício em forma de microanel (5 mícrons de raio) acoplado à guia de onda. Crédito: cortesia de Universidade de Harvard.

Especificamente, a luz laser é focalizada em uma guia de ondas. Forças ópticas fazem uma partícula ser lançada através da guia de onda, e empurrada ao longo dela. Quando a partícula se aproxima de um anel fabricado perto da guia de onda, ela é empurrada do guia de ondas para o anel pelas forças ópticas. A partícula então circula em torno do anel, impulsionada por forças ópticas à velocidade de centenas de micrômetros por segundo.

Observando por uma nova óptica

Embora o ressonador de anel planar não seja novidade, os cientistas mostraram que a utilização de anel de silicone aumenta a força óptica (5 a 8 vezes em relação ao guia de ondas em linha reta).

“As medições de rastreamento de partículas com uma câmera de alta velocidade revela que as grandes forças transversais estáveis localizam a partícula de modo que o desvio padrão em sua trajetória, comparada ao círculo, é tão pequena quanto 50 nm”, afirma Crozier. “Isso representa uma localização muito detalhada em comparação com uma distância relativamente grande.”

Veja também:

Versão simples do “Gato de Schrodinger” é criada por cientistas
Microchips de seda dão adeus aos exames caros e demorados
Nova tecnologia permite transferência muito mais rápida de calor
Fenômeno em nanoescala permite criação de dispositivos portáteis
Físicos captam imagens de spins de elétrons em plena ação

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: