Rara erupção solar é observada pela NASA

Atenção às auroras boreais: impressionante ejeção de massa pode alterar campo magnético terrestre.

taniager

08 Junho 2011 | 10h46

Ejeção de Massa Coronal (CME) observada pelo Observatório Solar de Dinâmicas em 7 de junho de 2011. Credit: NASA/SDO

Ejeção de Massa Coronal (CME) observada pelo Observatório Solar de Dinâmicas em 7 de junho de 2011. Credit: NASA/SDO

NASA divulgou ontem imagens de erupção solar com ejeção de massa coronal impressionante. A imagem foi captada pelo Observatório Solar de Dinâmicas SDO (sigla em inglês) na madrugada de ontem.

Segundo relato, o Sol desencadeou uma erupção de magnitude média M-2, uma tempestade de radiação menor de classe S-1 e uma espetacular ejeção de massa coronal provenientes do complexo de mancha solar 1226-1227. A grande nuvem de partículas pipocou para cima e caiu de volta cobrindo uma área de quase metade da superfície solar.

A imagem mostra o pico da flama registrado com ultravioleta extrema da grande erupção de gás frio.  Ela é singular, porque em muitos lugares da erupção parece haver material mais frio – com temperaturas menores que 80 mil graus Celsius.

Quando visualizada no Observatório Heliosférico Solar (SOHO) em gráficos coronários, o evento mostra o plasma brilhante e as partículas de alta energia reverberando do Sol. De acordo com os modelos da NASA, essa ejeção de massa coronal (CME) está se movendo à velocidade de 1400 km/s em direção a Terra.

Captura de tela do vídeo do evento, tirada pelo coronógrafo SOHO C3. Crédito: NASA/SOHO.

Captura de tela do vídeo do evento, tirada pelo coronógrafo SOHO C3. Crédito: NASA/SOHO.

A CME deve dar um golpe certeiro no campo magnético terrestre durante a tarde de 8 de junho ou 9 de junho. Observadores do céu de alta latitude devem ficar alertas para auroras quando a ejeção chegar.