Nova abordagem permitirá criação de drogas potentes contra hepatite C

Sistema proposto observa o ciclo de vida completo do vírus, permitindo inibir a entrada, reprodução e liberação das células no organismo.

root

12 de fevereiro de 2010 | 14h02

Zhilei Chen afirma que novas drogas contra o vírus da hepatite C irão surgir após nova abordagem. Crédito: Texas A&M.

Zhilei Chen afirma que novas drogas contra o vírus da hepatite C irão surgir após nova abordagem. Crédito: Texas A&M.

Um novo sistema de identificação de moléculas deve permitir a descoberta de novos e potentes tratamentos para a hepatite C. O modelo foi desenvolvido por uma equipe da Texas A&M University, nos EUA, liderada por Zhilei Chen.

“Este sistema de rastreamento utiliza uma forma inovadora para ‘consultar’ células infectadas com o HCV”, explica Zhilei. Um dos maiores desafios para os pesquisadores é desenvolver uma droga que atue nas células infectadas de forma localizada, mas, para isso, um sistema de identificação das células doentes deve ser eficiente – o que não é uma tarefa simples, já que inicialmente, a infecção fica disfarçada no organismo.

A única terapia existente hoje para o HCV é um tratamento exaustivo de 48 semanas que cura apenas metade dos casos, e é comparada – pela capacidade de “esgotar” o paciente – a uma quimioterapia. Além disso, os tratamentos são muito caros, o que leva muitas pessoas a abandonarem a terapia no meio.

Entendendo a infecção

Para enfrentar o desafio, Chen inseriu um gene nas células que ele estava estudando. Este gene desencadeia a morte celular, caso o HCV entre na célula. O experimento permitiu ao pesquisador medir a extensão da infecção.

“Pudemos então ver quais células foram capazes de sobreviver; se você tem produtos químicos que não inibem o HCV, as células vão morrer pela infecção, mas, se você colocar uma célula que bloqueia o ciclo de vida do HCV, as células vão crescer”, diz Chen. “Olhando o ciclo de vida completo do vírus, por meio desse novo sistema, descobrimos formas de inibir a infecção em três fases: a entrada do vírus nas células, a reprodução dentro das células e finalmente a liberação de células infectadas para o ataque de novas células”.

Golpes múltiplos no vírus

Testando cerca de mil produtos químicos diferentes, Chen descobriu vários que interrompem o ciclo de vida do HCV. Alguns desses inibidores, não permitem a entrada do vírus na célula. Outros bloqueiam a replicação do vírus, parando o processo infeccioso. A pesquisadora ainda identificou inibidores que “trancam” o vírus na célula infectada, mesmo que estejam se desenvolvendo bem dentro dela.

“Já que o vírus muda o tempo todo, você realmente procura abatê-lo em todos os aspectos simultaneamente”, ressalta Chen. “No entanto, a maioria dos esforços atuais para bloquear o HCV foca apenas no ciclo de reprodução dentro das células, devido à ausência de um sistema que selecione moléculas adequadas para bloquear outras funções, como a entrada do vírus na célula saudável e a liberação de células contaminadas no corpo”.

Hepatite C no mundo

Identificada pela primeira vez em 1989 e responsável pela hepatite C (uma doença infecciosa que afeta o fígado), o HCV já infectou mais de 180 milhões de pessoas no mundo todo. Ao entrar em contato com o sangue, o vírus da hepatite C pode causar infecção crônica que leva a uma cicatriz no fígado, insuficiência cardíaca, câncer de fígado e até morte.

Apesar de novas infecções resultantes de transplante serem raras hoje em dia – graças a medidas de rastreio que começaram em 1990 – muitas pessoas sofrem com a doença (é possível inclusive que uma pessoa viva décadas sem saber que tem hepatite C).

Veja também:

Pesquisadores medem energia liberada por vírus no processo de infecção
“Soldado” do sistema imunológico pode desencadear diabetes tipo 2
Malária precisa de “bilhete de ingresso” para entrar nas células
Pesquisadores listam principais sinais de alerta de infecções graves em crianças

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: