Supercomputador consegue ver bem o suficiente para dirigir um carro

Supercomputador baseado no sistema visual humano opera de maneira muito mais rápida e eficiente.

root

16 Setembro 2010 | 11h57

Um pesquisador da Faculdade de Ciências Aplicadas em Engenharia da Universidade Yale, nos EUA, desenvolveu um supercomputador baseado no sistema visual humano que opera de maneira muito mais rápida e eficiente. O NeuFlow, como foi chamado, é um sistema que imita a rede neural de mamíferos para interpretar o mundo ao seu redor.

O sistema utiliza algoritmos de visão complexa desenvolvido por Yann LeCun, da Universidade de Nova York, para executar grandes redes neurais com aplicações em visão sintética. A novidade pode permitir a condução de carros, por exemplo. Para ser capaz de reconhecer vários objetos encontrados no caminho (carros, pessoas, semáforos, calçadas, a própria rua), o NewFlow processa dezenas de imagens em tempo real.

O sistema também é extremamente eficiente: tem execução simultânea de mais de 100 bilhões de operações por segundo, usando apenas alguns watts – menos do que é usado em um celular. “Um dos nossos primeiros protótipos deste sistema já é capaz de superar processadores gráficos em tarefas de visão”, afirma Eugenio Culurciello, responsável pelo trabalho.

O supercomputador foi incorporado a um único chip, o que torna o sistema muito menor. “O sistema completo vai ser do tamanho de uma carteira, para que ele possa ser facilmente incorporado em automóveis e outros lugares”, ressalta o pesquisador.

Além da navegação autônoma de carros, o sistema poderá ser usado para melhorar a navegação de robôs em locais perigosos ou de difícil alcance, já que permite a visão sintética em 360 graus para os soldados em guerra ou, ainda, para monitorar movimentos de pessoas idosas.

Assista ao vídeo no Youtube.

Veja também:

“Visão de mundo” das abelhas: olho artificial do inseto dá as coordenadas
Criado o primeiro moinho nanométrico que dirige disco micrométrico
Administração Federal de Aviação dos EUA aprova carro voador
Robô que quebrou a perna deverá caminhar por terrenos acidentados