Moléculas de odor "confundem" mosquitos

Fêmea do Aedes aegypti precisa detectar dióxido de carbono emitido quando o ser humano expira para encontrar "refeições”.

root

03 Junho 2011 | 12h59

Fêmea do Aedes aegypti precisa de sangue para o amadurecimento de ovos, depositados junto a extensas superfícies de água limpa.

Fêmeas de mosquitos podem transmitir doenças mortais, como a malária e a dengue, quando se alimentam do sangue das pessoas. Entretanto, para encontrar “suas refeições”, elas precisam detectar dióxido de carbono emitido quando o ser humano expira. Pensando nisso, pesquisadores da Universidade da Califórnia em Riverside, nos EUA, identificaram três tipos de moléculas de odor que podem perturbar o processo, podendo levar a uma nova geração de repelentes.

Uma das moléculas identificadas é capaz de “ligar” os nervos olfativos por períodos prolongados, ao passo que outra “desliga” este mecanismo.  Uma terceira molécula, por sua vez, “imita” o próprio dióxido de carbono.

De acordo com os pesquisadores, a descoberta pode ajudar na prevenção de inúmeras doenças, como a febre amarela e o vírus do Nilo Ocidental, bem como a própria malária e dengue. Atualmente, repelentes efetivos – conhecidos como DEET – são tóxicos, caros e inviáveis em regiões tropicais.  A pesquisa está sendo financiada pelo Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas dos EUA e é liderada pelo pesquisador Anandasankar Ray.

Veja também:

Malária: estudo mostra como parasita altera glóbulos vermelhos
Herbicida causa inflamação da próstata e atraso da puberdade
Cérebro minúsculo de mosca é mais poderoso que computador
Casos de malária podem ser reduzidos mesmo com aquecimento global
Parte do sistema imunológico das pessoas pode ajudar vírus da dengue
Mosquito transgênico incapaz de voar é criado para combater a dengue
Qualidade da água pode favorecer infestação de mosquito da dengue